Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Coin DTVM

Ações da Cielo podem perder força com a concorrência? Empresa tem dias de ‘gangorra’ com Getnet

Giovana Leal
21/10/2021 - 17:39
Cielo
“Não vejo que uma está tirando o preço da outra, trata-se de um momento de descoberta de preços”, diz Henrique Tomaz (Imagem: Cielo/Youtube)

A estreia dos papéis da Getnet (GETT11) na B3 nesta semana foi marcada por uma forte oscilação. Em uma ‘gangorra’ de valorização com a companhia, a Cielo (CIEL3) teve desempenhos opostos aos da estreante na B3.

As empresas do setor de pagamentos entraram em uma ‘gangorra’ de escaladas e quedas nos últimos dias. Um dia após o IPO da Getnet (19), as ações enfrentaram alta de aproximadamente de 18%, já os papéis da Cielo caíram 9,20%.

No pregão do dia seguinte (20), o cenário foi invertido. Enquanto a Cielo recuperava fôlego, marcando uma leve alta, a vez de ver seus papéis derreterem foi da Getnet.

No entanto, nesta quinta-feira (21) ambas fecharam na mesma direção, junto com o Ibovespa. A Cielo caiu 2,90%, cotada a R$ 2,34. A Getnet desabou 19,76%, a R$ 6,70. Resta saber se as ações estão tirando preço uma da outra ou seguem uma queda generalizada.

A gangorra de valorização

Segundo o analista de serviços financeiros da Banco do Brasil, Henrique Tomaz, os investidores não estão fazendo trades entre as ações da Getnet e da Cielo.

“Não vejo que uma está tirando o preço da outra, trata-se de um momento de descoberta de preços”, diz o analista.

Para Tomaz, a alta da Getnet está ligada diretamente ao IPO da companhia. “Toda empresa que inicia na bolsa tem essa volatilidade grande e volume muito maior do que o normal”.

O potencial da Cielo

O analista do BB reitera a liderança da Cielo no setor que atua, mas diz que o futuro ainda é incerto. “A Cielo está em um momento de redescoberta e transformação. Os investidores estão querendo entender se a Cielo vai ter velocidade para poder segurar sua posição no universo de adquirência”, diz Tomaz.

No momento, o grande desafio para a Cielo é integrar as mudanças do novo mercado de adquirência, com a chegada do Open Banking.

“Com a chegada do Open Finance, as empresas de adquirência estão vendo agora a possibilidade de fazer crédito, e a Cielo, tendo dois bancos como donos, pode não ter a velocidade necessária”, diz o analista.

Perspectivas para o papel

No longo prazo, Tomaz acredita que, apesar da concorrência, a Cielo tem forças para defender a posição de líder do mercado. Mas diante de um cenário de transformação do setor, o analista tem uma visão neutra para os papéis.

Para Tomaz, a empresa deverá diminuir margens e definir se entrará no mercado novo de recebíveis para seguir na liderança.

Disclaimer

Money Times publica matérias de cunho jornalístico, que visam a democratização da informação. Nossas publicações devem ser compreendidas como boletins anunciadores e divulgadores, e não como uma recomendação de investimento.

Última atualização por Giovana Leal - 22/10/2021 - 9:11

Chegou a nova newsletter Comprar ou Vender

As melhores dicas de investimentos, todos os dias, em seu e-mail!
Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.
Cotações Crypto
Pela Web