Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Coin DTVM

Como se proteger da crise global de suprimentos, segundo a Rico

Giovana Leal
06/12/2021 - 12:15
Importação Exportação Commodities 6
Crise global de suprimentos: Especialistas da Rico afirmam que investimentos de longo e médio prazo são os mais indicados para se proteger (Imagem: Pixabay)

As restrições de mobilidade por conta da pandemia da Covid-19 afetaram a produção de diversos bens, com fábricas, portos e boa parte da produção e exploração fechados ou limitados. Com a demanda ainda forte, os estoques secaram, pressionando os preços das commodities.

Além disso, as questões climáticas e políticas afetaram a produção de energia no mundo.

Com demanda forte e oferta limitada, produtores passaram a conviver com a falta de insumos para produção, afetando diretamente a produção global e a própria atividade econômica.

Segundo Betina Roxo e Paula Zogbi, responsáveis pelo relatório da Rico Investimentos, este desequilíbrio irá se resolver e deve ajudar os preços a subirem um pouco mais devagar. “Questões climáticas, como a volta das chuvas e o frio mais ameno, também devem dar uma mãozinha para os preços de alimentos voltarem ao normal”, completam.

Além disso, as especialistas afirmam que os Bancos Centrais começam a elevar suas taxas de juros para enfrentar os preços em alta. “Com juros mais altos, o crédito fica mais caro, a economia desacelera, e os preços passam a subir mais lentamente – menor inflação”, afirmam Roxo e Zogbi.

As especialistas acreditam que esse movimento deve ser gradual, o que mostra que não será em 2022 que a crise de abastecimento de produtos e da inflação alta chegará ao fim.

Como se proteger da crise de suprimentos?

Segundo as especialistas da Rico, o “ganho real”, rendimento que está descontado da inflação do período de investimento, é a resposta para se proteger da inflação.

“Quando diversificamos a nossa carteira, sempre levamos em consideração a expectativa de retorno real de cada classe de ativo. A classe com maior potencial e com risco adequado para aquele determinado perfil de investimento, recebe atribuição de peso maior, e assim por diante”, afirmam Roxo e Zogbi.

Para as especialistas, as classes de ativos que mais se destacam como ferramenta de proteção contra a inflação são:

  • Longo prazo

Roxo e Zogbi defendem que, em janelas longas de tempo — com mais de 10 anos —, as ações e fundos imobiliários são uma excelente forma de proteção.

“A capacidade de repasse da inflação nos preços, tanto das empresas quanto dos aluguéis, ajuda as pessoas que são acionistas a se protegerem”, defendem.

  • Médio prazo

Para o médio prazo, as especialistas recomendam os títulos de renda fixa indexados à inflação.

Títulos do tesouro direto são a opção mais popular, porém, para quem quer se arriscar mais, títulos privados isentos de imposto de renda são uma excelente opção. Nas emissões bancárias, as LCIs/LCAs, CRIs/CRAs e debêntures incentivadas são isentos da tributação.

A Rico ainda diz que os investimentos de curto prazo não são os mais adequados para uma estratégia de proteção. “A inflação pode acabar surpreendendo para cima e é comum “perder” para ela em investimentos de curto prazo”, afirmam.

Porém, ressaltam que em uma carteira bem diversificada, os investimentos de longo e médio prazo tendem a compensar esse efeito.

Última atualização por Márcio Juliboni - 06/12/2021 - 12:15

Chegou a nova newsletter Comprar ou Vender
As melhores dicas de investimentos, todos os dias, em seu e-mail. É grátis!
Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.
Cotações Crypto
Pela Web