ImóvelTimes

Construção civil: Inflação e Selic limitaram venda de materiais em 2022

17 jan 2023, 12:00 - atualizado em 17 jan 2023, 9:58
Vendas de materiais da construção civil fecharam 2022 em queda em meio ao cenário de inflação e juros altos (Imagem: REUTERS/Toby Melville)

A alta da inflação e da taxa básica de juros (Selic) impactou as vendas de materiais da construção civil, segundo levantamento da Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção (Abramat). A pesquisa, realizada pela FGV com dados do IBGE, apontam que as vendas do setor recuaram 7% em 2022.

No recorte mensal, o desempenho das vendas em dezembro foi 1,9% menor do que o visto em novembro, enquanto na comparação com o mesmo mês de 2021, a retração foi de 8,7%.

A Abramat diz que, com esse resultado, o faturamento deflacionado dos materiais básicos caiu 6,9%. Já os materiais de acabamento ficaram 7,4% abaixo do visto no acumulado de 2021.

Construção civil sentiu inflação e alta de juros

O presidente da Associação, Rodrigo Navarro, avalia que as seguidas quedas no faturamento trazem um sinal de alerta para a construção civil. Porém, todo o contexto precisa ser analisado, entre eles, o cenário macroeconômico.

“São inúmeros fatores que levaram nosso setor a sofrer com quedas constantes e significativas. Como o elevado endividamento das famílias, a taxa de juros em patamar ainda elevado, de 13,75%, e a inflação no acumulado de 2022 [com alta de 5,79%]”, comenta.

Navarro acrescenta que a indefinição a respeito das políticas fiscais e econômicas a serem desenvolvidas pelo governo de Luiz Inácio Lula da Silva também impactaram o desempenho das vendas. “De todo modo, as projeções da FGV indicam crescimento de 2% [para as vendas] em 2023″, diz.

Repórter
Jornalista mineira com experiência em TV, rádio, agência de notícias e sites na cobertura de mercado financeiro, empresas, agronegócio e entretenimento. Antes do Money Times, passou pelo Valor Econômico, Agência CMA, Canal Rural, RIT TV e outros.
Linkedin
Jornalista mineira com experiência em TV, rádio, agência de notícias e sites na cobertura de mercado financeiro, empresas, agronegócio e entretenimento. Antes do Money Times, passou pelo Valor Econômico, Agência CMA, Canal Rural, RIT TV e outros.
Linkedin