Conteúdo Vitreo

Robinhood é ‘roubada’: depois do sucesso da Smartfit e Multilaser, investidores voltam seu olhar ao IPO da corretora

Robinhood
Os fundadores da empresa viram uma oportunidade de negócios, acolheram os investidores que eram negligenciados pelas grandes corretoras que, somados à possibilidade de acessar a plataforma por meio de um smartphone, consolidaram a posição da Robinhood no mercado. (Imagem: Reuters//Dado Ruvic/Illustration)

No dia 29 de julho, a Robinhood, uma empresa responsável pelo grande aplicativo de corretagem de criptoativos, vai abrir seu IPO na Nasdaq, a Bolsa de Nova York.

Conhecida como a corretora da geração Z, a empresa já conta com 17,7 milhões e US$ 81 bilhões em custódia. Os números da empresa, em primeiro momento, são impressionantes: só no primeiro trimestre deste ano a Hood fez impressionantes US$ 522 milhões de receita.

Conheça um pouco mais sobre a empresa a seguir:

Epicentro de polêmicas

O que não falta quando falamos sobre a Robinhood são polêmicas. Começamos pelo próprio modelo de negócios da companhia, que faz jus ao seu nome: o sucesso dela se dá, em grande parte, por ela ter promovido uma revolução no mercado de capitais americano, aumentando a presença dos pequenos investidores em meio aos grandes afortunados e empresas.

INVISTA NAS MAIORES EMPRESAS TECH DO PLANETA POR APENAS R$100

Para referência, a carteira dos investidores da E-Trade fica em torno de US$ 100 mil dólares por conta; na Charles Schwab, são US$ 200 mil. Na Robinhood, esse número cai drasticamente para US$ 3,5 mil, o que mostra por si só mostra qual é o perfil de seus clientes. 

Os fundadores da empresa viram uma oportunidade de negócios, acolheram os investidores que eram negligenciados pelas grandes corretoras que, somados à possibilidade de acessar a plataforma por meio de um smartphone, consolidaram a posição da Robinhood no mercado.

Em relação aos números da empresa, contudo, já começam as controvérsias. US$ 87 milhões da receita da empresa são da negociação de criptomoedas. Atualmente a Robinhood negocia apenas 7 moedas e desse volume, 34% (ou US$ 30 milhões) foram em negociação de Dogecoin. 

ESQUEÇA A ROBINHOOD; INVISTA AGORA EM EMPRESAS CONSOLIDADAS NO MERCADO ACIONÁRIO NORTE-AMERICANO

Isso quer dizer que  6% de toda a receita da Robinhood vem de negociações de um meme. Sim, um meme. 

Além disso, ela é acusada de não ser totalmente transparente com seus clientes. A maneira como ela ganha dinheiro, por exemplo, é pouco compreensível para boa parte de seus correntistas. Muitos críticos também rejeitam o modo como a Robinhood estimula investidores inexperientes a arriscarem seu dinheiro em ativos de alta volatilidade– a Dogecoin sendo um exemplo disso.

Seu envolvimento com o caso da Gamestop, o suícidio de um cotista cobrado erroneamente… o número de casos polêmicos em que a corretora se envolveu são incontáveis.

“Mas IPO sempre dá lucros!” Será?

Com os recentes sucessos por parte da Bolsa brasileira em relação às Ofertas Públicas Iniciais, a “febre dos IPOs” se instaurou no investidor brasileiro. A Smartfit e Multilaser, por exemplo, tiveram lucros de 27% e 17% em apenas um dia de negociações no pregão. A Raízen abrirá seu capital na semana que vem, e já está sendo recebida por investidores bastante empolgados.

CONHEÇA FUNDO QUE INVESTE SEU DINHEIRO NAS FAANGS POR APENAS R$100

Apesar disso, é importante dizer: nem todo IPO te trará lucros. Empresas como as citadas não tiveram esse retorno unicamente porque abriram seu capital. Eram empresas respeitadas, com bons retornos e boas expectativas de crescimento a longo prazo. 

Isso não se aplica à Robinhood. Com problemas regulatórios associados ao modelo de negócio, eventuais multas aplicadas por processos que estão correndo e falta de garantias para receitas futuras, muitos analistas veem a entrada no IPO como uma decisão de grande risco.

Contudo, isso também não significa que o investidor deveria desistir de alocar seus recursos no setor de tecnologia; apenas direcioná-los para esforços mais inteligentes e seguros.

Invista nas maiores empresas de tecnologia do mundo com apenas R$100

A verdade é que, quando pensamos em empresas tech, Robinhood não é a primeira empresa que vem à mente. Provavelmente, as primeiras empresas que aparecem no imaginário são as FAANGs– Facebook, Apple, Amazon, Netflix, Google.

Essas gigantes do mercado norte-americano foram responsáveis por carregar a economia do país nas costas durante a pandemia, trazendo lucros inimagináveis aos seus investidores.

O que você acharia de investir em todas elas ao mesmo tempo? daqui mesmo, do Brasil? E por um mínimo de apenas R$100?

É isso que o Vitreo Tech Select proporciona para você. O fundo, desenvolvido pela fintech do BTG, foi aberto no meio do ano passado, e já traz mais de 60% de retorno aos seus investidores desde sua criação. 

INVISTA AGORA

É a chance de você expor seu dinheiro aos potenciais lucros dessas gigantes da tecnologia, sem precisar abrir conta lá fora com todas as facilidades da Vitreo, com os riscos associados às ações e à variação do Dólar. 

O fundo aloca 75% de seus recursos nas big techs, ou empresas americanas já consolidadas de tecnologia, e 25% em cases com grande potencial. 

Inclusive, uma das empresas que participam do fundo é a Coinbase, empresa de tecnologia norte-americana que fez um IPO espetacular em abril deste ano. Os preços do bitcoin atingiram uma máxima histórica no dia, e a abertura fez com que a empresa valesse mais do que o Itaú e Bradesco juntos.

Entende como ter um gestor especializado faz toda a diferença na hora de investir nesses IPOs?

Por isso, acesse este link e conheça o Vitreo Tech Select: você pode investir nas maiores empresas do planeta, sem abrir conta no exterior, sem precisar operar nenhuma plataforma e por um aporte mínimo de apenas R$ 100

QUERO CONHECER O VITREO TECH SELECT