Covid-19: três laboratórios veterinários podem produzir matéria-prima do imunizante no Brasil

15/04/2021 - 15:16
Vacinas
Como atualmente o Brasil tem apenas duas fábricas de vacinas para humanos Butantan e Fiocruz, a ideia foi bem recebida pelos senadores (Imagem: Léo Ramos Chaves/Instituto Butantan)

O Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para a Saúde Animal (Sindan) se ofereceu às autoridades brasileiras, por meio do Senado Federal, para produzir em larga escala imunizantes contra a Covid-19.

Com a oferta, as plantas dos laboratórios usadas na produção de vacinas para a saúde animal podem ser empregadas na produção de imunizantes já em desenvolvimento no país, principalmente a Coronavac. O que significaria um salto na capacidade de produção de “centenas de milhões de doses”.

A proposta começou a ser debatida no Senado na última semana. Como atualmente o Brasil tem apenas duas fábricas de vacinas para humanos (Butantan e Fiocruz), a ideia foi bem recebida pelos senadores.

De acordo com o relator da Comissão da Covid-19, senador Wellington Fagundes (PL-MT)  a proposição também foi bem recebida pelo presidente da República Jair Bolsonaro e o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga.

Indústria de saúde animal

O Sindan negocia com o governo a possibilidade de produzir vacinas contra a Covid-19 em três laboratórios veterinários.

O Merck & Co. ou Merck Sharp & Dohme, empresa farmacêutica, química e de ciências biológicas global presente em 67 países; Ceva Brasil, que dispõe de quatro centros internacionais principais, com 19 centros regionais de produção pelo mundo, e a Ouro Fino, que exporta produtos para vários países.

O objetivo do sindicato é que estes laboratórios fabriquem a matéria-prima da vacina: o Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA).

“Apresentamos o potencial produtivo do setor, a qualidade das fábricas e, acima de tudo, reforçamos a nossa disposição em colaborar  neste momento tão crítico (Imagem/assessoria de imprensa)

“Dado à capacidade em termos de volume de produzir dessas empresas e a segurança, nós sempre analisamos a possibilidade de que o interessado que tiver as condições de acessar a tecnologia do laboratório que produz o IFA, poderá também fazer acordos de confidencialidade, transferir essa tecnologia e implementá-la nessas plantas biosseguras”, afirma Emílio Carlos Salani, vice-presidente executivo do Sindan.

As três plantas industriais vinculadas ao agro são classificados em nível NB3+ de biossegurança. Há ainda a possibilidade de confirmação de produção por um quarto laboratório.

Segundo Salani,  uma vez efetivada, essa produção dispensa “a necessidade de importação de IFAs produzidos no exterior, assim reduzindo a dependência do Brasil“.

Negociações 

O senador Wellington Fagundes que vem acompanhando as ações de enfrentamento contra a pandemia, conversou com a equipe do Money Times e avaliou que o debate em torno do assunto é positivo.

“O agro brasileiro em parceria com o Butantan e Fiocruz tem capacidade de produzir uma vacina contra Covid-19 com uma tecnologia 100% brasileira” (Imagem/assessoria de imprensa)

“Esse é um projeto que será regulado pelo Ministério da Agricultura e a Anvisa, mas a ministra Tereza Cristina já deu um sinal verde. Foram inúmeras reuniões com os ministérios da Agricultura, da Saúde e da Ciência Tecnologia de Inovações, Anvisa, e Instituto Butantan, além de audiências públicas com senadores e estamos avançando bastante”, pontuou o senador.

Wellington Fagundes falou ainda da aprovação de uma proposta para visitas in loco nos três laboratórios. “Tivemos a aprovação de uma proposição na comissão para que uma comitiva visite os três laboratórios. Para que eles possam apresentar a todo o potencial de produção do IFA, assim o país terá a produção de um imunizante 100% brasileiro”, comenta.

Com a aprovação da proposta e autorização da Anvisa será preciso ainda aguardar a chegada da célula mãe que é o vírus inativado aos laboratórios.

Após essa etapa as três plantas passam a ter o prazo de 90 dias para a produção da matéria-prima que será posteriormente encaminhada ao Butantan para produção da vacina diluída e envasamento.

De acordo com o Sindan a produção de vacinas contra a Covid-19 não afetará a fabricação de 300 milhões de doses contra a febre-aftosa acertada com o governo federal para 2021.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado agro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Evelin Mendes - 15/04/2021 - 15:16

Pela Web