Coluna do Sandro Magaldi

Desvendando o ‘mito da hiperprodutividade’: a força da mente vazia e a importância para carreiras

10 nov 2023, 15:08 - atualizado em 10 nov 2023, 15:08
trabalho carreiras
Segredo para carreiras terem desempenho excepcional pode residir onde menos esperamos: no silêncio pós-expediente (Imagem: Elisa Ventur/Unsplash)

Você já se perguntou por que, após horas a fio de trabalho incessante, sua produtividade despenca? O segredo para uma performance excepcional pode residir onde menos esperamos: no silêncio pós-expediente.

Um estudo da Associação Americana de Psicologia trouxe à luz um aspecto crucial da nossa vida profissional: a relevância do descanso noturno.

Diante disso, a investigação revela que, ao deixarmos o trabalho de lado ao anoitecer, mitigamos o risco de exaustão nos horários em que estamos em ação. Indivíduos que se permitem refletir menos sobre suas responsabilidades ao entardecer, curiosamente, se mostram mais efetivos e menos propensos ao desgaste durante o dia.

Esse insight ressoa com o que observei em minhas jornadas e diálogos com inúmeros gestores: é imperativo demolir o “Mito da Hiperprodutividade”.

Esse mito diz respeito à crença equivocada de que estar constantemente ocupado e trabalhar por longas horas ininterruptas é sinônimo de ser mais produtivo e bem-sucedido.

Segundo essa visão, a quantidade de tempo gasto nas tarefas profissionais é diretamente proporcional à eficiência e aos resultados alcançados.

No entanto, há um entendimento equivocado de que o segredo do desempenho está na quantidade de horas empregadas e não em sua qualidade. Contudo, discussões sobre os benefícios da “mente vazia” não são novidade.

  • Como um grupo de Facebook virou uma consultoria especializada em diversidade racial: 2ª episódio do Carreiras e Afins fala da trajetória do Indique uma Preta, assista aqui e conheça: 

O impacto do ‘mito da produtividade’ nas carreiras

Estudos sugerem que dar ao cérebro a oportunidade de não se concentrar intensamente em tarefas ou problemas pode levar a vários benefícios para a saúde mental e a produtividade. Esse conceito se opõe à constante necessidade de ocupação mental que é frequentemente valorizada na cultura moderna de trabalho.

O repouso da mente, esse estado de relaxamento profundo, é uma ferramenta poderosa. Ele nos permite uma recuperação mental que recalibra a capacidade de concentração e criatividade. Entretanto, a mente vazia não é um espaço inerte. É um campo fértil para insights e soluções inovadoras.

Confesso que eu também caio na armadilha da hiperatividade, esquecendo-me dessa essência vital. Porém, a fatura desse esquecimento chega sem falha. Geralmente, na forma de um rendimento decrescente e uma sensação de esgotamento.

Desmontar o mito da produtividade significa reconhecer que um desempenho excepcional não é medido pelo tempo gasto em atividades. Mas pela eficácia, inovação e impacto do que é produzido, e que equilibrar trabalho e descanso é crucial para a sustentabilidade do sucesso profissional.

Para ascender ao seu melhor desempenho, é indispensável um equilíbrio sagrado. Esse equilíbrio não é medido pelo tic-tac do relógio, mas pela capacidade de produzir resultados tangíveis e impactantes.

Contudo, o reconhecimento vem da efetividade e não das horas despendidas.

Assim, nas horas de folga, permita-se desligar. Deixe que a escuridão repouse sobre suas responsabilidades diurnas e que a tranquilidade da noite restaure sua energia.

Ao amanhecer, com a mente descansada e revigorada, você estará pronto para atuar com vigor e visão, comprovando que, às vezes, uma mente vazia é o mais pleno estado de preparação para os desafios que virão.

*Sandro Magaldi é especialista em transformação de negócios, gestão estratégica, cultura organizacional e liderança

Sandro Magaldi é especialista em transformação de negócios, gestão estratégica, cultura organizacional e liderança. É também pesquisador, palestrante, escritor e coautor dos livros "Gestão do Amanhã", "Liderança Disruptiva" e "Novo Código da Cultura".
Sandro Magaldi é especialista em transformação de negócios, gestão estratégica, cultura organizacional e liderança. É também pesquisador, palestrante, escritor e coautor dos livros "Gestão do Amanhã", "Liderança Disruptiva" e "Novo Código da Cultura".