BusinessTimes

Dia da Mulher Negra Latina e Caribenha: Saber a remuneração de uma vaga pode aumentar a equidade salarial; entenda

25 jul 2022, 15:13 - atualizado em 25 jul 2022, 15:13
Trabalho
Pesquisa revela que 34% do trabalhadores não sentem que seu salário está de acordo com sua carga de trabalho, destes, 55% são mulheres (Imagem: Christina @ wocintechchat.com/Unsplash)

O Dia da Mulher Negra Latina e Caribenha é comemorado nesta segunda-feira (25). Apesar da presença expressiva na sociedade brasileira, os negros ainda são as pessoas mais afetadas pela pobreza, marginalização e pelo racismo.

As mulheres negras enfrentam barreiras de desigualdade ainda maiores. Pesquisa Transparência Salarial do Indeed Brasil mostra que para 68% dos entrevistados, a empresa em que trabalham poderia ser mais inclusiva.

Ainda assim, a maioria (71%) afirma que a companhia tem políticas para aumentar a diversidade e inclusão.

Mesmo com as iniciativas, diante de uma situação discriminatória ou de assédio, apenas 20% dos colaboradores entrevistados disseram que chegaram a fazer uma denúncia ao RH e souberam que providências foram tomadas; 14% disseram que denunciaram, mas não tiveram retorno do RH, e 16% não denunciou por medo de perder o emprego.

O estudo foi realizado, por meio de um painel online em maio de 2022, com 858 trabalhadores brasileiros para investigar o sentimento dos candidatos a emprego sobre transparência salarial, satisfação no trabalho, bem-estar, modelo de trabalho híbrido/remoto, diversidade e inclusão.

O abismo da desigualdade

Mas muitas das políticas ainda não se reverteram efetivamente em dados o que é visto pela baixa empregabilidade de mulheres negras.

O abismo de desigualdade para esse grupo em atuação nas empresas é notável quando analisado os dados do estudo Representatividade, Diversidade e Percepção – Censo Multissetorial da Gestão Kairós, consultoria de sustentabilidade e diversidade.

O levantamento contou com a participação de mais de 26 mil respondentes, apontando que mulheres negras no quadro geral das empresas representa 8,9%, em um contingente de 32% de mulheres.

Já em cargos de gerência e acima, o cenário é ainda mais desafiador, com apenas 3% de mulheres negras em uma população de 25% de mulheres líderes.

Dia da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha

Com o objetivo de visibilizar a luta das mulheres negras contra o preconceito, opressão e falta de oportunidades em diversos setores, o Dia da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha passou a ser celebrado em 25 de julho.

A data foi criada em 1992, durante o 1º Encontro de Mulheres Afro-latino-americanas e Afro-caribenhas, que aconteceu em Santo Domingo, República Dominicana, marco que estimulou a Organização das Nações Unidas (ONU) a assumir a responsabilidade de pautar questões de raça e gênero em suas estratégias.

Por aqui, a data também celebra a líder quilombola, Tereza de Benguela, símbolo de luta e resistência do povo negro, que foi reconhecida pela Lei nº 12.987, de 2 de junho de 2014, como o Dia Nacional de Tereza de Benguela e da Mulher Negra, data de mobilização por igualdade de direitos.

Transparência salarial

Apesar das empresas ainda terem receio de compartilharem informações de salário, essa é uma prática que pode aumentar a equidade salarial e facilitar o processo de seleção dos recrutadores ao atrair talentos.

“Nossa pesquisa indicou que os candidatos estão cada vez mais seletivos e buscam o histórico das empresas antes mesmo de aceitarem participar de uma entrevista. Cerca de 76% dos entrevistados buscam informações sobre salários antes de aceitarem se candidatar a uma vaga”, aponta o diretor de vendas do Indeed no Brasil, Felipe Calbucci.

Diferença centenária

Segundo o Global Gender Gap Report 2021 do Fórum Econômico Mundial, apesar de existirem inúmeras iniciativas e esforços para diminuir o abismo entre salários, a lacuna global de gênero aumentou, em uma geração, de 99,5 anos para 135,6 anos.

Essa diferença é sentida no dia a dia. Os dados da pesquisa do Indeed indicam que as mulheres se sentem menos confiantes em pedir, por exemplo, um aumento salarial em seu emprego atual do que os homens, sendo 28% contra 21%.

Outro ponto relevante é que 34% dos entrevistados não sentem que seu salário está de acordo com sua carga de trabalho, destes, 55% são mulheres.

A desigualdade em números

No Brasil, o salário das mulheres negras ainda é 57% menor do que de homens brancos, 42% menor do que de mulheres brancas e ainda recebem 14% a menos do que os homens negros. Os dados são de um levantamento do IBGE e levam em conta os rendimentos de 2019.

“É possível observar que, quanto mais marcadores identitários, menor é a representatividade de mulheres negras dentro das empresas”, apontou a fundadora e CEO da Gestão Kairós e autora do livro “Como ser um líder inclusivo”, Liliane Rocha.

“Estamos acostumados a universalizar a questão da mulher pela mulher branca e quando olhamos para a mulher negra a gente vê que, estatisticamente, o abismo de direitos ganha proporções ainda maiores, por isso é urgente que as lideranças das empresas criem políticas que garantam efetivamente a igualdade racial e de gênero, assegurando o acesso a oportunidades e direitos básicos como educação, saúde e emprego, além, é claro, de combater a discriminação em todos os espaços. Só dessa forma conseguiremos acabar com a invisibilidade das mulheres negras”, acrescentou.

Money Times é Top 9 em Investimentos!

Obrigado pelo seu voto! Graças a você, o Money Times está entre as 9 maiores iniciativas brasileiras no Universo Digital em Investimentos. Se você conta com o conteúdo do site para cuidar bem do seu dinheiro, continue votando e ajude o Money Times a se tornar o melhor portal de notícias de investimentos do Brasil. Contamos com o seu apoio. CLIQUE AQUI E VOTE!

Estagiária
Formada em Gestão de Negócios e Inovação pela Fatec Sebrae e, atualmente, estudante de Jornalismo da Faculdade Cásper Líbero. Tem como propósito atuar visando os princípios éticos do jornalismo com comprometimento com a informação de qualidade e o combate à desinformação.
Linkedin
Formada em Gestão de Negócios e Inovação pela Fatec Sebrae e, atualmente, estudante de Jornalismo da Faculdade Cásper Líbero. Tem como propósito atuar visando os princípios éticos do jornalismo com comprometimento com a informação de qualidade e o combate à desinformação.
Linkedin
Giro da Semana

Receba as principais notícias e recomendações de investimento diretamente no seu e-mail. Tudo 100% gratuito. Inscreva-se no botão abaixo:

*Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.