Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Coin DTVM

Educação básica e saúde preventiva podem continuar indexadas em pacto federativo, indica Guedes

25/09/2019 - 16:23
Em relação à reforma tributária, Guedes destacou que a proposta do governo está praticamente pronta, apesar de “acidente de percurso” na Receita Federal (Imagem: REUTERS/Adriano Machado)

O ministro da Economia, Paulo Guedes, fez forte defesa da necessidade de desvinculação e desindexação do Orçamento por meio de novo pacto federativo, mas indicou que, para além do salário mínimo, outras despesas podem continuar carimbadas, como as ligadas à educação básica e à saúde preventiva.

“Nós temos que avaliar quais dessas despesas que estão carimbadas merecem seguirem indexadas”, disse ele nesta quarta-feira ao participar de audiência pública na Comissão Mista de Orçamento (CMO) do Congresso Nacional.

“Por exemplo, o salário mínimo o presidente já falou: ‘esse tem que seguir indexado’. Ok. De repente, educação básica. Vamos seguir com isso também. De repente, saúde preventiva, sim. Há outra? Vamos conversar a respeito”, acrescentou.

Segundo Guedes, o governo vai encaminhar sua proposta de pacto federativo na direção de ampla desvinculação, desobrigação e desindexação do Orçamento assim que o Senado aprovar a reforma da Previdência. Ele estimou que isso ocorrerá em cerca de três semanas.

A ideia é que a proposta comece a tramitar com os senadores. Para tanto, será necessário que um deles apresente a matéria, já que uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) enviada pelo Executivo necessariamente é analisada primeiro pela Câmara dos Deputados.

Guedes disse ser necessário examinar a indexação das despesas obrigatórias, que hoje “estão asfixiando a República e atrofiando a atuação parlamentar”. E avaliou que a investida vai possibilitar que a classe política reassuma o protagonismo em relação ao Orçamento público, hoje fortemente engessado.

No projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA) de 2020, o governo estimou que as despesas obrigatórias responderão por 94% dos gastos totais.

Reforma Tributária

Em relação à reforma tributária, Guedes destacou que a proposta do governo está praticamente pronta, apesar de “acidente de percurso” na Receita Federal em meio à recente troca de comando do órgão.

A ideia, de acordo com o ministro, é que a proposta seja trabalhada em comissão mista formada por Câmara e Senado. Ele apontou que o envio do texto do governo poderá ser feito já na semana que vem.

“Vamos muito brevemente entrar nessa comissão mista com a (reforma) tributária”, disse.

“A nossa (proposta) estava bem avançada, mas um dos pilares foi baleado. É como pneu furado, tem que encher de novo e botar outro para rodar”, afirmou ele, numa referência à implementação de um imposto sobre transações, nos moldes da extinta CPMF.

A iniciativa constituía um dos pilares do texto do Executivo e havia sido concebida para compensar a desoneração sobre a folha de pagamento das empresas. Mas acabou barrada pelo presidente Jair Bolsonaro em meio à forte resistência popular e de parlamentares ao tema.

Guedes já afirmou que o governo não irá desistir da desoneração da folha, mas ainda não apontou o que virá no lugar do imposto sobre pagamentos para bancar essa renúncia tributária.

Em sua fala inicial, o ministro também afirmou que o governo se debruça sobre uma reforma administrativa em função do aumento descontrolado de gastos relacionados ao funcionalismo.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Bruno Andrade - 25/09/2019 - 16:23

Cotações Crypto
Pela Web