Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Coin DTVM

Em um ano, Oi será irreconhecível. Veja detalhes do plano que inclui oferta de R$ 11,5 bilhões em ações

16/06/2020 - 10:14
Oi participa da CCXP 2019
Demolidor: novo plano da Oi não deixará nenhuma área intocada (Imagem: Divulgação/Oi/Facebook)

A Oi (OIBR3) divulgou, nesta terça-feira (16), mais detalhes do ambicioso plano de reestruturação anunciado ontem, e que envolve a segregação das operações da companhia em quatro áreas – das quais, três serão vendidas. Veja, a seguir, mais detalhes da estratégia para a empresa superar, de vez, a recuperação judicial e voltar a crescer.

Oi, mas pode chamar de Infra Co.

A Oi será separada em quatro unidades: Torres, responsável por 657 antenas de telefonia móvel; Data Center; Telefonia Móvel; e Infra. O plano apresentado ontem prevê a venda das três primeiras, o que renderia mais de R$ 16 bilhões à empresa. A Oi seria reduzida, portanto, aos serviços de infraestrutura de redes e telecomunicações.

Oferta de R$ 11,5 bilhões em ações

Além do dinheiro obtido pela venda das outras áreas, a Nova Oi, focada em infraestrutura, realizaria uma grande venda de ações, envolvendo entre 25% e 51% do capital econômico (e 51% do capital votante).

Na oferta primária de ações – aquela que, efetivamente, injeta dinheiro no caixa da companhia -, seriam levantados até R$ 5 bilhões. Na oferta secundária, o mínimo planejado é de R$ 6,5 bilhões.

[TOKENS NFT] A nova febre das criptomoedas. Clique aqui e saiba quais tokens NFT podem decolar em 2021.

Aceleração das operações

Menor e com mais dinheiro, a Nova Oi acredita que pode chegar a 2025 com redes passadas por mais de 30 milhões de domicílios, dos quais, mais de 10 milhões efetivamente conectados.

Mais rentável

A empresa estima que, em 2025, consiga entregar uma margem de ebitda superior a 60%. A geração de caixa operacional, em cinco anos, ficaria acima de R$ 3 bilhões.

Cronograma

A Oi tem pressa. Em agosto, pretende aprovar a reestruturação numa assembleia de credores. Em outubro, deseja realizar os leilões de venda das unidades de Torres e Data Center, o que lhe renderia, pelo menos, R$ 1,3 bilhão.

No quarto trimestre, sairia o leilão da unidade de Telefonia Móvel, pela qual pedirá R$ 15 bilhões. No primeiro trimestre de 2021, viria o leilão da própria unidade de infraestrutura. A conclusão dos negócios está programada para o último trimestre do ano que vem.

Veja o powerpoint de apresentação do plano da Oi, divulgado aos investidores.

Chegou a nova newsletter Comprar ou Vender

As melhores dicas de investimentos, todos os dias, em seu e-mail!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Márcio Juliboni - 16/06/2020 - 10:14

Pela Web