AgroTimes

Etanol: Com queima de estoque, preços devem subir em novembro sem Petrobras (PETR4); entenda

30 out 2023, 15:57 - atualizado em 30 out 2023, 15:57
etanol petrobras gasolina
Os últimos reajustes da Petrobras para a gasolina e o diesel tiveram pouca influência na flutuação dos preços do biocombustível (Imagem: Getty Images)

Há quase 10 dias, a Petrobras (PETR4) reajustou os preços da gasolina e do diesel. A gasolina teve um corte de R$ 0,12 no litro, enquanto houve alta de R$ 0,25 no litro do diesel, com os preços médios dos combustíveis passando para R$ 2,81 e R$ 4,05, respectivamente.

Com o reajuste, os preços do etanol hidratado ficaram estáveis, com alta sutil da paridade, que passou de 61,6% para 62,1%.

De acordo com Marcelo Di Bonifácio, analista de açúcar e etanol na StoneX, a estabilidade está em linha com o observado nas últimas semanas, em função da alta demanda em meio a uma oferta elevada nos canaviais do Centro-Sul.

“A gasolina mais barata pouco afeta o etanol hidratado, já que a paridade em São Paulo está abaixo de 70% desde julho e abaixo de 65% desde agosto. A partir de setembro, o consumo do biocombustível no Ciclo Otto deve crescer expressivamente, fazendo com que o álcool ganhe maior participação de mercad0, perdida desde meados do ano passado”, diz Marcelo.

O que esperar para o etanol em novembro?

O mercado do etanol projeta menor ritmo de moagem de cana em novembro no Centro-Sul, com menor área disponível para colheita, algo sazonal para o período, e um aumento das chuvas na região.

“Dessa forma, os estoques do produto devem começar a cair no próximo mês, pressionando para cima os preços, dada a tendência de consumo fortalecido no curto prazo. Assim, os fatores altistas para o hidratado devem imperar daqui para frente”, explica.

Entre 29 de setembro e 27 de outubro, os preços do etanol hidratado subiram 1,72%, passando de R$ 2,1796 por litro para R$ 2,2171 por litro, segundo dados do indicador Cepea/Esalq.

Repórter no Agro Times
Formado em Jornalismo pela Universidade São Judas Tadeu. Atua como repórter no Agro Times desde março de 2023. Antes do Money Times, trabalhou por pouco mais de 3 anos no Canal Rural, onde atuou como editor do Rural Notícias, programa de TV diário dedicado à cobertura do agronegócio. Por lá, participou da produção e reportagem do Projeto Soja Brasil, que cobre o ciclo da oleaginosa do plantio à colheita, e do Agro em Campo, programa exibido durante a Copa do Mundo do Catar e que buscava mostrar as conexões entre o futebol e o agronegócio.
Linkedin
Formado em Jornalismo pela Universidade São Judas Tadeu. Atua como repórter no Agro Times desde março de 2023. Antes do Money Times, trabalhou por pouco mais de 3 anos no Canal Rural, onde atuou como editor do Rural Notícias, programa de TV diário dedicado à cobertura do agronegócio. Por lá, participou da produção e reportagem do Projeto Soja Brasil, que cobre o ciclo da oleaginosa do plantio à colheita, e do Agro em Campo, programa exibido durante a Copa do Mundo do Catar e que buscava mostrar as conexões entre o futebol e o agronegócio.
Linkedin
Giro da Semana

Receba as principais notícias e recomendações de investimento diretamente no seu e-mail. Tudo 100% gratuito. Inscreva-se no botão abaixo:

*Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.