Internacional

França oferecerá novo crédito fiscal para investimentos em tecnologias verdes

11 maio 2023, 16:13 - atualizado em 11 maio 2023, 16:13
França
O governo Macron quer disparar investimentos em tecnologias ambientalmente sustentáveis para que a França possa competir com empresas dos EUA (Imagem: Facebook/Emmanuel Macron)

O governo francês vai oferecer um novo crédito fiscal para investimentos ecológicos e dará incentivos em dinheiro para a compra de novos carros elétricos, contanto que sejam fabricados na Europa, anunciou o presidente da França, Emmanuel Macron, nesta quinta-feira.

O novo crédito tributário, previsto para o orçamento do ano que vem, tem expectativa de gerar investimentos privados no valor de 20 bilhões de euros (22 bilhões de dólares) até 2030, e criar dezenas de milhares de empregos.

A medida cobriria os gastos de capital das empresas entre 25% e 40% de seus investimentos em instalações de energia eólica e solar, bombas de calor e baterias, disseram autoridades da presidência.

O governo Macron quer disparar investimentos em tecnologias ambientalmente sustentáveis para que a França possa competir com empresas dos EUA impulsionadas pelos 430 bilhões de dólares da Lei de Redução da Inflação (IRA, em inglês) do governo Biden, que inclui grandes subsídios fiscais para reduzir emissões de carbono, aumentar a produção doméstica e a manufatura.

Macron também disse que um projeto de lei do setor industrial verde que deve ser apresentado na próxima terça-feira incluiria planos para aumentar o investimento em treinamento e reduzir pela metade o tempo necessário para montar uma nova fábrica na França para nove meses ou menos.

“Esta estrutura de financiamento deve nos ajudar a competir com o IRA dos americanos”, disse Macron ao delinear medidas para revertero declínio industrial de longo prazo da França.

Giro da Semana

Receba as principais notícias e recomendações de investimento diretamente no seu e-mail. Tudo 100% gratuito. Inscreva-se no botão abaixo:

*Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.