Frigoríficos abrem semana escalados em 9 dias de abate e preço se sustenta pelo baixo volume de boi

Giovanni Lorenzon
16/01/2022 - 11:07
Argentina,Carnes
Cenário de abate de bovinos não indica sinais de ficar mais curto nas programações dos frigoríficos (Imagem: REUTERS/Marcos Brindicci)

O ritmo do consumo interno em lentidão se reflete na programação mais confortável de abates dos frigoríficos e o novo calendário semanal das linhas de produção vai determinar o patamar de preços do boi na segunda quinzena, até aqui se sustentando pelo baixo volume de animais prontos.

Entre o Pará, que abate pouco porque consome pouco perto de outras entidades da federação, com escalas de 16 dias, e o Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, que exportam mais mas estão com o rebanho curto, escalados em 6 dias, a média nacional é de 9 dias.

O levantamento da Agrifatto, até sexta (14), considera, portanto, que se justifica a @ em São Paulo em torno dos R$ 340, no pico de negócios com animais mais valorizados, porque na média das referências a cotação é menor, já descontados os encargos.

“O momento é de normalidade de compras das indústrias frigoríficas”, pontua a consultoria, embora apenas São Paulo (9 dias), Goiás e Minas apresentaram registros de estabilidade nas escalas de gancho dos bois na semana que passou.

Quanto aos dois Mato Grosso, a Agrifatto diz que a média de abates está alinhada com a média dos últimos 12 meses, mas não informa o comparativo semanal.

Última atualização por Giovanni Lorenzon - 16/01/2022 - 19:37

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado agro?
Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.
Cotações Crypto