ImóvelTimes

Fundos imobiliários: HCTR11 confirma acordo de CRIs do caso Gramado Parks; veja detalhes

03 nov 2023, 11:45 - atualizado em 02 nov 2023, 19:41
fundos imobiliários fiis imóveis CRIs
Fortesec e Gramado Parks fizeram acordo em outubro, mas fundos imobiliários não haviam confirmado (Foto: Flávya Pereira/Money Times)

O fundo imobiliário Hectare CE (HCTR11) confirmou em seu último relatório gerencial, divulgado no fim de outubro, que houve acordo entre a Forte Securitizadora (Fortesec) e a Gramado Parks (GPK) sobre os Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRIs) alvos de inadimplência desde fevereiro deste ano.

O Money Times publicou sobre o acordo em 19 de outubro. Contudo, os fundos imobiliários envolvidos na operação não haviam se pronunciado.

O FII explicou que, após votação em assembleias de credores realizadas em 10 de outubro, foram renegociados CRIs que representam 90,8% da dívida. Esses recebíveis somam R$ 1,31 bilhão.

Os CRIs reestruturados e que fazem parte da carteira do FII foram:

  • GPK
  • GPK II
  • GVI
  • Gramado BV
  • Brasil Parques

Além desses, outros dois Certificados de Recebíveis Imobiliários foram renegociados: Termas Resort e Aquan Prime.

“A definição de um acordo entre a companhia e seus credores representa um importante marco na evolução do ativo, oferecendo mais previsibilidade para o retorno aos pagamentos”, disse o HCTR11.

  • Onde investir em novembro: ações, dividendos, FIIs, BDRs, criptomoedas – Veja indicações gratuitas

Fundos imobiliários afundaram com a inadimplência

A partir de fevereiro deste ano, quando a Fortesec registrou os primeiros atrasos de pagamentos nos CRIs, os fundos imobiliários Tordesilhas EI (TORD11), Versalhes Recebíveis (VSLH11) e Devant Recebíveis (DEVA11), além do HCTR11, começaram uma derrocada que dura até hoje, nove meses depois.

O TORD11 afunda 70% no acumulado do ano, seguido do tombo de mais de 62% do VSLH11. Enquanto o DEVA11 despenca mais de 50%.

O Hectare CE chegou a cair quase 70% até outubro. Porém, cotistas responderam positivamente ao acordo e, desta forma, o fundo passou a exibir desempenho mais positivo. Com isso, o FII liderou os ganhos em outubro, com salto de 23,7%.

Repórter
Jornalista mineira com experiência em TV, rádio, agência de notícias e sites na cobertura de mercado financeiro, empresas, agronegócio e entretenimento. Antes do Money Times, passou pelo Valor Econômico, Agência CMA, Canal Rural, RIT TV e outros.
Linkedin
Jornalista mineira com experiência em TV, rádio, agência de notícias e sites na cobertura de mercado financeiro, empresas, agronegócio e entretenimento. Antes do Money Times, passou pelo Valor Econômico, Agência CMA, Canal Rural, RIT TV e outros.
Linkedin