Commodities

Futuros de milho e soja sobem em Chicago com nova regra tributária no Brasil; produtores dos EUA comemoram

06 jun 2024, 18:31 - atualizado em 06 jun 2024, 18:31
soja milho (1)
A nova regra deixou os comerciantes e produtores nos EUA esperançosos de que isso poderia impulsionar os negócios de soja e milho (Foto: Reuters/Jorge Adorno)

Os contratos futuros do milho e da soja negociados na bolsa de Chicago subiram nesta quinta-feira (6), com a Medida Provisória 1.227 que estabelece medidas compensatórias pela renúncia fiscal, com regras mais rígidas para uso de créditos fiscais pela indústria e exportadores no Brasil.

A nova regra, instituída por MP, deixou os comerciantes e produtores nos Estados Unidos esperançosos de que isso poderia impulsionar os negócios de exportação com grãos norte-americanos, disseram os operadores.

As empresas brasileiras de diversos setores criticaram mudança que impõe novas regras para o uso de créditos fiscais, alegando que a nova medida tornará as empresas menos competitivas nos mercados globais.

“Isso estimulará os negócios em nossa direção”, disse Mark Schultz, dos EUA, analista da Northstar Commodity.

A soja em Chicago subiu 22,75 centavos, a fechando a US$ 12 por bushel, enquanto o milho avançou 12,75 centavos, a US$ 4,52 por bushel.

“Os exportadores (brasileiros) dizem que isso aumentará o custo dos negócios”, disse Tom Fritz, corretor do EFG Group. “Eles estão aceitando ofertas de mesa enquanto reavaliam as margens de lucro.”

Em meio à alta nos preços de Chicago, os negócios no Brasil fluíram melhor nesta quinta-feira em relação ao dia anterior.

“Sim, melhorou a referência de preço e Chicago subiu bem, dando suporte”, afirmou a analista Alaíde Ziemmer, da consultoria AgRural.

Segundo ela, a maioria dos negócios de soja aconteceu nos portos, ou seja, para exportação.

“É claro que não são todos os players que estão no mercado… mas o mercado brasileiro da soja rodou hoje”, acrescentou.

O analista da Safras & Mercado Luiz Fernando Roque, também relatou que o mercado andou “melhor” no Brasil, ainda que algumas tradings e indústrias tenham ficado fora dos negócios para entender o impacto da MP.

Trigo

O trigo caiu em Chicago, já que os corretores ponderaram as preocupações com os danos causados pela seca e pela geada na safra da região do Mar Negro, diante de uma colheita crescente nos EUA.

O contrato de trigo mais ativo caiu 7,25 centavos, fechando a 6,395 dólares, sua sétima queda diária.

O movimento do governo brasileiro provocou uma onda de cobertura de posições vendidas, enquanto os comerciantes digeriam a notícia. Enquanto isso, os exportadores brasileiros estão mais hesitantes em vender.

Giro da Semana

Receba as principais notícias e recomendações de investimento diretamente no seu e-mail. Tudo 100% gratuito. Inscreva-se no botão abaixo:

*Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.