Gasolina defasada em R$ 0,29 age diretamente contra o hidratado, já mais caro do que deveria

Giovanni Lorenzon
27/01/2022 - 13:55
Gasolina
Defasagem da gasolina frente às altas do petróleo atrasa mais ainda recuperação da competitividade do etanol (Imagem: REUTERS/Amanda Perobelli)

O petróleo mantendo-se em volta dos US$ 89 o barril já alarga a defasagem dos preços da gasolina e do diesel, enquanto comprime mais a competitividade do etanol hidratado.

A Petrobras (PETR4) já deveria promover novo reajuste dos derivados, após o último do dia 11, defende a Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis (Abicom).

A gasolina está 8% menor do que Sérgio Araújo, presidente da entidade, verificou em planilha desta quinta (27), exatamente R$ 0,29. Para o óleo, a defasagem é de 9%, R$ 0,34.

A estatal também protela o aumento contando com a queda do dólar.

Com a demora de os postos de serviço devolverem os seguidos recuos do etanol nas usinas, cujo atraso deixa o biocombustível cerca de R$ 0,35 acima do que poderia estar, segundo Money Times deu ontem, a pressão é praticamente dobrada.

Em paralelo, as empresas importadoras, algumas das quais também distribuidoras, são pressionadas.

“Os diferencias para óleo diesel e gasolina sustentam cenário de arbitragens negativas, inviabilizando operações de importação”, complementa Araújo.

 

Última atualização por Giovanni Lorenzon - 27/01/2022 - 14:06

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado agro?
Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.
Cotações Crypto