BusinessTimes

Grupo GPS (GGPS3): Como as mais de 40 aquisições vão turbinar os negócios? Veja o que diz a diretora de RI

29 abr 2022, 8:00 - atualizado em 28 abr 2022, 17:05
Grupo GPS GGPS3
Foco em crescimento: Grupo GPS já realizou 42 aquisições desde 2018 (Imagem: LinkedIn/Grupo GPS)

Desde seu IPO (oferta pública inicial) em abril de 2021, o Grupo GPS (GGPS3), empresa brasileira que atua no setor de serviços e terceirização, vem investindo cada vez mais em aquisições.

Só em 2022, o grupo foi às compras seis vezes, somando 12 novas empresas a seu ecossistema desde sua entrada na Bolsa de Valores, e em quatro meses já superou mais da metade da programação de M&A (fusões & aquisições) para o ano.

Neste ano, a GPS já trouxe para o grupo empresas de diferentes áreas de atuação, como EverticalMotus, Comau, Sulzer, Ormec e Force, e atingiu R$ 1,2 bilhão em aquisições. Desde 2018, a companhia já realizou 42 M&A.

Em entrevista ao Money Times, Marita Bernhoeft, diretora de governança e relações com investidores da GPS, afirmou que o grupo investe em aquisições em busca de crescimento inorgânico.

“A estratégia é fazer novas aquisições para gerar crescimento na base de clientes. Isso porque o mercado que a GPS atua é muito fragmentado, com mais 15 mil CNPJs“, afirma.

A diretora de RI ainda explica que a estratégia tem como objetivo trazer crescimento sustentável para a companhia ao longo dos anos. 

Consolidação e integração

Bernhoeft explica que o foco de tantas aquisições é acelerar a consolidação da GPS — que atua em logística interna, manutenção e serviços industriais, facilities e segurança — como líder deste setor.

A diretora afirma que a área de serviços e terceirização é extremamente fragmentada e regionalizada e, por meio de novas aquisições, a companhia consegue acelerar seu crescimento, ampliando a presença em regiões distintas.

“O objetivo final da GPS é trazer a base de clientes das empresas adquiridas para o grupo, a fim de ampliar o share of wallet (“parcela da carteira” na tradução livre), vender outros serviços para aqueles clientes e acelerar o crescimento inorgânico”, diz Bernhoeft.

A diretora ainda ressalta que o grupo foca esforços na integração e captação de sinergias das empresas adquiridas. “A GPS não compra, ela integra”, reforça.

“As empresas são bem integradas. Assim que concluída a aquisição, o grupo já começa a integração de sistemas, onde os processos começam a ser operados pelos sistemas do grupo GPS. Em paralelo, trabalha-se na relação com clientes e dos times operacionais, e, por fim, na integração cultural de toda a equipe”.

Projeções para 2022

Bernhoeft afirma que a GPS tem um pipeline robusto de empresas em avaliação para aquisição este ano, o qual vem crescendo desde o IPO. “Temos uma perspectiva bem positiva em relação à linha de crescimento por M&A”, completa.

A diretora diz que a companhia está de olho em companhias médias de diferentes setores. “Como temos uma grande diversidade de serviços, atuando em quatro linhas de produção, temos várias oportunidades em regiões distintas. Por isso, existe uma possibilidade maior de encontrar companhias-alvo para aquisição.”

O foco da GPS para 2022 continua semelhante ao já entregue, mirando em um crescimento de cerca de 30% na receita, para ter capacidade de integração. “Assim como já tem sido feito desde 2008”, afirma Bernhoeft.

“O futuro repete o passado, independente do cenário macro. Nosso foco é ser uma empresa de crescimento sustentável ao longo dos anos”, diz.

A estratégia do Grupo GPS é positiva?

Editora-assistente
Editora-assistente no Money Times e graduanda em Jornalismo pela Unesp - Universidade Estadual Paulista. Entrou para a área de finanças e investimentos em 2021.
Linkedin
Editora-assistente no Money Times e graduanda em Jornalismo pela Unesp - Universidade Estadual Paulista. Entrou para a área de finanças e investimentos em 2021.
Linkedin