Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Coin DTVM

Ibovespa deve dar adeus aos 135 mil pontos com intervenção na Petrobras? Ainda não

22/02/2021 - 15:41
Petrobras
Artilharia: Bolsonaro critica política de reajustes e anuncia troca de presidente da Petrobras (Imagem: Valter Silveira/Money Times)

Na esteira da implosão das ações da Petrobras (PETR3; PETR4), após o presidente Jair Bolsonaro decidir trocar Roberto Castello Branco pelo general Joaquim de Silva e Luna, o Ibovespa também opera com perdas expressivas nesta segunda-feira (22). Mas isso significa que os investidores já podem dar adeus às previsões de que a Bolsa terminaria 2021 ao redor dos 135 mil pontos?

Para a XP Investimentos, a resposta é não, ou, pelo menos, ainda não. Em relatório divulgado neste fim de semana, Fernando Ferreira, estrategista-chefe e head da área de análise da XP, refirmou sua estimativa de que o Ibovespa encerrará o ano em 135 mil pontos.

Alguns dias atrás, essa seria uma expectativa razoável. Mas, hoje, parece um milagre. Por volta das 15h30, o principal índice da Bolsa recuava 4% e marcava 113.687 pontos. Assim, para alcançar o número da XP, é necessária uma alta de 19%.

Mas o otimismo é ainda mais significativo, quando se lembra que a XP foi a primeira a rebaixar a recomendação da Petrobras para venda, em reação à intervenção de Bolsonaro na estatal. O relatório da instituição foi publicado no fim de semana e não deixou dúvidas, quanto ao descontentamento com o episódio.

Percalços

É claro que a situação é preocupante, e o próprio Ferreira explica as armadilhas pelo caminho. Ele observa que uma ligeira piora na percepção do risco Brasil pelos investidores já seria suficiente para uma compressão entre 6% e 20% da Bolsa, medida em relação aos múltiplos com que negocia atualmente.

A XP lembra que a última vez em que o Brasil se descolou dos mercados internacionais e acabou punido por ingerência política nas estatais foi no governo de Dilma Rousseff (2011-2016). Naquela época, segundo a gestora, o risco país médio era de 200 pontos-base, o equivalente a 2% acima das taxas de juros de longo prazo dos títulos americanos.

Dilma Rousseff
Reprise: tensão nos mercados lembra o governo de Dilma Rousseff (Imagem: Facebook/Dilma Rousseff)

Hoje, esse risco está em 162 pontos-base, ou 1,62%. “Se aumentássemos as taxas de desconto das empresas em +0,4% (aumento do 1,62% para os 2%) nos nossos modelos, isso teria um impacto negativo no valor justo das empresas em 6%”, calcula o estrategista da XP.

Traduzindo: é preciso que os investidores internacionais passem a acreditar que a dedada de Bolsonaro na Petrobras sinaliza uma mudança consistente de rumo, na direção de uma política econômica mais intervencionista e populista.

Oportunidades

Por ora, a XP enxerga um contrapeso capaz de manter suas projeções como estão – o preço atual da Bolsa brasileira é atraente. “A bolsa brasileira já está barata tanto em relação aos mercados desenvolvidos quanto aos Emergentes, o que pode ajudar a segurar essa correção”, afirma.

Isso significa que, enquanto alguns estão vendendo suas posições, outros estão chegando agora para comprar bons papéis por uma pechincha e, assim, surfar a próxima alta. “As estatais representam apenas 14,6% do índice Ibovespa, e, caso as empresas privadas também sofram com esse movimento, isso pode abrir oportunidades de investimento à preços mais atrativos”, diz Ferreira.

Conclusão: é hora de manter os olhos bem abertos e agarrar as melhores oportunidades. Pelo menos, por enquanto.

Chegou a nova newsletter Comprar ou Vender

As melhores dicas de investimentos, todos os dias, em seu e-mail!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Márcio Juliboni - 22/02/2021 - 15:41