Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Coin DTVM

Ibovespa fecha em alta, mas Nova York reduz ímpeto

19/10/2020 - 17:10
Ibovespa Ações Mercados B3SA3
Parece que o time todo se uniu em busca de uma melhora das condições financeiras no mercado (Imagem: Reuters/Paulo Whitaker)

O Ibovespa (IBOV) fechou em alta nesta segunda-feira, com B3 (B3SA3) entre os principais suportes e reagindo a declarações mais positivas sobre o cenário fiscal no país, movimento parcialmente contido pela influência negativa de Wall Street.

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa teve elevação de 0,35%, a 98.657,65 pontos, após ter registrado 99.917,22 pontos na máxima da sessão.

O volume financeiro somou 36,5 bilhões de reais, ampliado pelo vencimento de opções sobre ações, que movimentou 10,379 bilhões de reais.

Em Nova York, o S&P 500 (SPX) caiu 1,6%, diante da ausência de novidades efetivas sobre novos estímulos fiscais nos Estados Unidos, antes da eleição presidencial em 3 de novembro.

Espera-se que a legalização das apostas esportivas seja muito significativa aos impostos

Para o analista Rafael Ribeiro, da Clear Corretora, o Ibovespa devolveu boa parte dos ganhos com a piora em Wall St dada a resistência dos políticos nos EUA em aprovar um novo pacote antes das eleições.

Ele avaliou que a desaceleração do Ibovespa só não foi mais forte devido a sinalizações importantes sobre a responsabilidade fiscal pelo governo brasileiro.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, reforçou que o time econômico conta com o apoio do presidente Jair Bolsonaro para manutenção do teto de gastos, enquanto presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que a possibilidade de extensão do estado de calamidade pública “não existe”.

“Sem dúvida esse tipo de sinalização em prol ao compromisso fiscal é positiva, mas isso é esperado pelo mercado, ou seja, não há upside adicional nesse sentido”, afirmou.

“O que irá destravar o mercado e finalmente levar o rompimento das últimas máximas serão medidas concretas para o avanço da agenda de reformas e isso deve acontecer após o período de eleições”, acrescentou Ribeiro.

Na mesma direção, Bolsonaro também afirmou que não tem como manter o pagamento do auxílio emergencial por um período maior devido ao endividamento do país, enquanto o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, alertou sobre os efeitos das incertezas fiscais nos investimentos.

“Parece que o time todo se uniu em busca de uma melhora das condições financeiras no mercado, que vêm sendo afetadas por preocupações com o endividamento do país’, reforçou o diretor de investimentos da Reach Capital, Ricardo Campos.

Destaques

B3 (B3SA3)  valorizou-se 3,31%, em meio à repercussão positiva sobre dados operacionais de setembro, quando o número de investidores ativos na bolsa superou 3 milhões.

Cielo (CIEL3) avançou 6,74%, encerrando uma sequência de cinco pregões no vermelho, período em que acumulou queda de mais de 6% e atingiu o menor preço desde maio.

BrMalls (BRML3) subiu 5,43%, após revelar estudos preliminares com a plataforma de shopping centers Ancar Ivanhoe para combinação parcial de portfólios.

Itaú Unibanco (ITUB4) e Bradesco (BBDC4) avançaram 1,08% e 1,38%, respectivamente.

PETROBRAS (PETR4) fechou em alta de 0,98%, reagindo após semana negativa, em que acumulou declínio de mais de 2%. PETROBRAS (PETR3) subiu 1,09%.

Azul (AZUL4) e Gol (GOLL4)  subiram 4,04% e 4,51%, respectivamente, em meio às expectativas mais positivas sobre vacinas contra o coronavírus.

Vale (VALE3)  caiu 0,47%, após ter chegado a subir no começo da sessão, com dados de produção previstos para depois do fechamento do mercado.

Jbs (JBSS3) recuou 4,57%, após acumular alta de mais de 20% na última semana, apoiada em expectativas sobre uma aguardada listagem de suas operações norte-americanas nos EUA.

C&A (CEAB3), fora do Ibovespa, disparou 7,27% após notícia de que os controladores avaliam vender sua posição na operação da varejista de moda no país.

Grupo Mateus (GMAT3) recuou 4,09%, ampliando a queda dos papéis desde a estreia na bolsa paulista na semana passada, em meio a ruídos sobre falhas em controles internos.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por André Luiz - 19/10/2020 - 17:55

Pela Web