Sobe-e-desce da Bolsa

Ibovespa: Grupo Casas Bahia (VIIA3) derrete novamente; Raízen (RAIZ4) lidera as altas

15 set 2023, 13:14 - atualizado em 15 set 2023, 13:14
Ibovespa
Ibovespa: as petroleiras se desvalorizavam na sessão do dia (Imagem: REUTERS/Amanda Perobelli)

Ibovespa (IBOV) sobe nesta sexta-feira (15), depois de encerrar a última sessão em alta 1,03%, negociado aos 119,3 mil pontos.

Por volta de 13h, as ações do Grupo Casas Bahia (VIIA3), que eram o destaque negativo na véspera, seguem liderando as perdas no pregão de hoje, derretendo 12,22%. No setor, Magazine Luiza (MGLU3) caía 2,71%.

IRB (IRBR3) e Pão de Açúcar (PCAR3) também tinham quedas expressivas, de, respectivamente, 6,60% e 5,24%.

Petrobras (PETR4) caía 0,58% após a empresa anunciar o pedido de licenciamento de 10 áreas no mar brasileiro para projetos de energia eólica offshore. Do mesmo setor, Prio (PRIO3) e 3R Petroleum (RRRP3) perdiam 0,39% e 0,55%, respectivamente.

B3 (B3SA3) recuava 0,15%. Ontem a companhia aprovou o pagamento de R$ 597,7 milhões em dividendos e juros sobre o capital próprio (JCP).

Altas do Ibovespa

Raízen (RAIZ4) liderava as altas do dia, subindo 2,86%, seguida por Dexco (DXCO3) e Equatorial (EQTL3), que avançavam 2,86% e 2,43%, respectivamente.

Embraer (EMBR3) subia 0,79% após vender cinco jatos modelo E175 para a Air Peace, companhia aérea da Nigéria e a maior da África Ocidental, mostra documento enviado ao mercado.

No setor, CVC (CVCB3), Gol (GOLL4) e Azul (AZUL4) iam na contramão, caindo 4,60%, 2,73% e 2,14%, respectivamente.

CSN (CSNA3) e CSN Mineração (CMIN3) ganhavam 0,64% e 0,90%, respectivamente. Vale (VALE3) perdia 0,27%. O movimento acontece após o minério de ferro registrar a melhor semana em três meses em Cingapura.

Repórter
Graduanda em jornalismo pela Universidade Estácio de Sá. Tem experiência cobrindo mercados, ações, investimentos, finanças, negócios, empreendedorismo, franquias, cultura e entretenimento. Ingressou no Money Times em 2021.
Linkedin
Graduanda em jornalismo pela Universidade Estácio de Sá. Tem experiência cobrindo mercados, ações, investimentos, finanças, negócios, empreendedorismo, franquias, cultura e entretenimento. Ingressou no Money Times em 2021.
Linkedin