Mercados

Ibovespa dispara e fecha a semana a 126 mil pontos; entenda o que levou a bolsa para o azul

26 abr 2024, 17:17 - atualizado em 26 abr 2024, 17:39
ibovespa-ibov
Ibovespa fecha em alta de 1,51% nesta sexta (26) (Imagem: Facebook/B3)

O Ibovespa subiu nesta sexta (26), com o mercado mais otimista e tomando mais risco, refletindo o IPCA 15. Além disso, as ações da Vale (VALE3) e Petrobras (PETR3;PETR4) também ajudam a impulsionar o IBOV. 

O índice fechou em alta de 1,51%, a 126.526,27 pontos, acumulando uma alta de 1,12% ao longo da semana. 

Nas maiores altas do dia, Azul (AZUL4) saiu da onda negativa, subindo 5,97%. Outro destaque positivo é a Hypera (HYPE3) que terá a divulgação de resultados do 1T24 após o pregão. Dessa forma, a companhia fechou com uma alta de 5,16%. 

Na ponta negativa, a Casas Bahia (BHIA3) tombou 1,45% refletindo as expectativas negativas de resultados. Além desta empresa, o Pão de Açúcar (PCAR3) liderou as baixas do dia, com queda de 2,47%.

Apesar disso, segundo Pedro Marinho Coutinho, especialista em mercado de capitais e sócio da The Hill Capital, o que vale é observar o mercado tomando risco e mostrando uma recuperação desses ativos ligados ao cenário interno, principalmente.

Na minha visão, a gente tem uma perspectiva de recuperação aqui para a Bolsa”, ressaltou. “O que vale observar daqui para frente é a questão do juro americano e o reflexo disso ao redor do mundo”.

Dados impulsionam Ibovespa

Mais cedo, o IPCA-15, principal termômetro para medir a alta dos preços aqui, subiu 0,21% em abril — apontando para uma desaceleração em relação à alta de 0,36% apurada em março.

“Veio bem melhor que o esperado, isso favoreceu a curva de juros. O mercado estava precificando um corte de 0,25 ponto percentual. E já aumentou a probabilidade de ter um corte de 0,5 de novo”, explica Renato Nobile, gestor e analista da Buena Vista.

Um novo Copom está previsto para ocorrer 7 e 8 de maio.

Já a inflação nos Estados Unidos aumentou moderadamente em março. O índice PCE de preços subiu 0,3% no mês passado, informou o Departamento de Comércio nesta sexta-feira. Os dados de fevereiro não foram revisados e mostram um aumento de 0,3% do PCE. Lembrando que o dado é o favorito do FED para avaliar a inflação.

“O movimento de alta (das bolsas) se confirmou com o PCE, que veio quase em linha com as expectativas. Apesar de não ser uma notícia que anima o mercado, ajuda a corrigir o stress de ontem. Depois dos dados de ontem, os investidores ficaram receosos com o PCE hoje”, observa Bruno Komura, da Potenza.

*Com Renan Dantas

Estagiária de Redação
Estudante da área de comunicação, cursando Jornalismo na Faculdade Cásper Líbero. Ingressou no Money Times em 2024 como estagiária.
Linkedin
Estudante da área de comunicação, cursando Jornalismo na Faculdade Cásper Líbero. Ingressou no Money Times em 2024 como estagiária.
Linkedin