Mercados

Ibovespa termina dia carregado de dados econômicos com baixa tímida; Casas Bahia (BHIA3) tomba

26 mar 2024, 17:32 - atualizado em 26 mar 2024, 17:32
Ibovespa fecha em leve baixa de 0,05% nesta terça (27) (Imagem: REUTERS/Amanda Perobelli)

O Ibovespa (IBOV) fechou em leve baixa nesta terça-feira (27), após atas do Copom e IPCA-15 terem vindo acima do esperado. Ações de Vale (VALE3) caíram, junto a outras mineradoras, com preço do minério de ferro em queda. 

O índice fechou em queda de 0,05%, a 126.863,02 pontos.

Nas maiores altas do pregão, a Soma (SOMA3) fechou o dia com +2,07%, após apresentar seus resultados do 4T23, que vieram acima do esperado pelo mercado. Apesar de um prejuízo na divisão Hering devido a ajustes de estoque, o lucro líquido ajustado superou as expectativas.

Na ponta negativa, Minerva (BEEF3) liderou as baixas do dia, com -8,73%, após também revelar os resultados do quarto trimestre. Junto, Casas Bahia (BHIA3) teve uma queda de 9,09%, totalizando perdas de aproximadamente 2,58% desde o início da semana passada (11).

Com isso, Casas Bahia segue enfrentando o desafio de equilibrar um plano de reestruturação com uma estrutura de capital complicada. Os resultados do último trimestre, embora preocupantes, já eram esperados pelo mercado. 

IPCA-15 e ata do Copom

O IPCA-15 apresentou uma alta de 0,36% no mês de março, vindo acima das expectativas do mercado. De acordo com Lucas Almeida, especialista em mercado de capitais e sócio da AVG Capital, “esse número sugere que a inflação, embora em desaceleração em comparação ao mês anterior, ainda está sob o olhar cauteloso do Banco Central“.

Além disso, a recente ata do Copom sinalizou a intenção do BC de manter uma flexibilidade nas futuras decisões do Selic.

Portanto, o mercado pode interpretar esse resultado como um lembrete de que, apesar de alguns sinais positivos na economia, ainda estamos navegando em águas incertas e que é prudente manter a cautela antes de celebrar qualquer vitória prematura contra a inflação”, afirmou o especialista.

Nesta ata, o Comitê mostrou sua preocupação com as expectativas acima da meta por período prolongado e disse estar atento, citando que requer um acompanhamento mais próximo. “Na minha visão, o momento pede uma abordagem mais cautelosa devido a tantas variáveis econômicas em jogo e juros americanos ainda seguindo com incertezas”, completou.

Desta forma, as expectativas de investidores sobre os juros no futuro sobem, adicionando as incertezas sobre a política monetária nos Estados Unidos.

A combinação desses fatores resulta no aumento do dólar e dos juros futuros, refletindo a antecipação do mercado a um ambiente de política monetária mais restritiva para combater a inflação e manter a estabilidade econômica.

Estagiária de Redação
Estudante da área de comunicação, cursando Jornalismo na Faculdade Cásper Líbero. Ingressou no Money Times em 2024 como estagiária.
Linkedin
Estudante da área de comunicação, cursando Jornalismo na Faculdade Cásper Líbero. Ingressou no Money Times em 2024 como estagiária.
Linkedin