Comprar ou vender?

IRB (IRBR3): Posição ‘short’ recua 13,8 pontos em 15 dias, diz XP; Fundo do poço?

12 set 2022, 20:11 - atualizado em 13 set 2022, 9:10
IRB
A taxa de aluguel é um indicativo de posições vendidas, já que por meio desse instrumento que investidores apostam na queda dos papéis (Imagem: Reprodução/ Youtube do IRB)

As ações do IRB (IRBR3) continuam liderando as posições vendidas da bolsa (short), informa a XP em relatório, mas houve uma redução de 15 pontos percentuais em comparação com levantamento de 26 de agosto.

Veja na tabela abaixo:

Segundo o monitor, que analisa a atividade de venda a descoberto (‘short selling’) das 263 ações negociadas na bolsa que são líquidas e envolvidas em operações vendidas, o IRB possui um ‘short interest’ de 12,7%, mas uma taxa de aluguel de 56,5%, acima do segundo colocado, o TC, com 48,6%.

A taxa de aluguel é um indicativo de posições vendidas, já que é por meio desse instrumento que investidores apostam na queda dos papéis.

  • Enquanto IRB (IRBR3) desaba, essa seguradora consolidada com forte crescimento de lucro está barata e pode pagar bons dividendos daqui em diante. Acesse o relatório completo

As ações do IRB foram amplamente ‘shorteados’ sobretudo neste ano, após a divulgação de prejuízos recorrentes, o que forçou a seguradora a realizar uma oferta de ações.

Para a Eleven, a oferta diminuirá a pressão vendedora sobre o IRB, uma vez que os recursos captados regularizam o desenquadramento regulatório perante a Susep.

“O nível de incerteza ainda é elevado e o cenário turbulento deverá permanecer por mais alguns trimestres”, dizem os analistas Carlos Daltozo e Raul Grego Lemos, que assinam o relatório.

Fundo do poço?

Na semana passada, a BlackRock, uma das maiores gestoras do mundo, informou que havia comprado mais ações do IRB, elevando sua participação acionária acima dos 5%.

Já o JPMorgan disse que após desabar 70% do ano, contra alta de 6% do Ibovespa, o IRB negocia a múltiplos mais consistentes.

“Após a recente correção do preço das ações, vemos o IRB sendo negociado a 0,9x BV tangível mais créditos fiscais de VPL, mais consistente em nossa visão com o ROE (retorno sobre o patrimônio líquido) esperado de longo prazo de 14-18% do negócio”, calcula.

Apesar disso, BTG Pactual derrubou o preço-alvo da companhia de R$ 1,70 para R$ 1,30.

Os analistas Eduardo Rosman, Thiago Paura e Ricardo Buchpiguel dizem que o IRB voltou a ficar “investível” após a oferta de ações de R$ 1 bilhão.

Com isso, o trio não quer dizer que a recomendação é de compra (o BTG manteve a indicação neutra), mas que com uma nova equipe, um portfólio reciclado, melhor governança, mais capital e uma marca forte, o IRB pode ser investido novamente.

  • Enquanto IRB (IRBR3) desaba, essa seguradora consolidada com forte crescimento de lucro está barata e pode pagar bons dividendos daqui em diante. Acesse o relatório completo

“Embora o follow-on seja um evento chave, não temos boa visibilidade sobre o que esperar.  Se perder o grau de investimento, poderá forçar seguradoras e resseguradoras globais a deter mais capital para operar com o IRB, atingindo lucratividade”, escreverem.

Siga o Money Times no Facebook!

Curta nossa página no Facebook e conecte-se com jornalistas e leitores do Money Times. Nosso time traz as discussões mais importantes do dia e você participa das conversas sobre as notícias e análises de tudo o que acontece no Brasil e no mundo. Siga agora a página do Money Times no Facebook!

Editor-assistente
Formado pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, cobre mercados desde 2018. Ficou entre os 50 jornalistas +Admirados da Imprensa de Economia e Finanças das edições de 2022 e 2023. É editor-assistente do Money Times. Antes, atuou na assessoria de imprensa do Ministério Público do Trabalho e como repórter do portal Suno Notícias, da Suno Research.
Linkedin
Formado pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, cobre mercados desde 2018. Ficou entre os 50 jornalistas +Admirados da Imprensa de Economia e Finanças das edições de 2022 e 2023. É editor-assistente do Money Times. Antes, atuou na assessoria de imprensa do Ministério Público do Trabalho e como repórter do portal Suno Notícias, da Suno Research.
Linkedin