Política

Lula vai deixar legado? Fernando Schuler traz visão sobre política do país; confira

29 maio 2024, 13:27 - atualizado em 29 maio 2024, 13:27
lula - pesquisa - eleição
O cientista político Fernando Schuler falou em palestra no Asset Day da Empiricus Gestão, que aconteceu em São Paulo nesta quarta-feira (29) (Imagem: Reuters/Adriano Machado)

O terceiro mandato do governo Lula vive seu segundo ano, encarando desafios como a reforma tributária, articulação no Congresso e a aproximação de 2026, desenhando mais um cenário eleitoral.

O cientista político Fernando Schuler aponta que o Brasil sempre teve duas “turmas”, em referência à polarização observada no país, como nas eleições de 2022 com o embate entre Jair Bolsonaro (inelegível até 2030) e Luiz Inácio Lula da Silva.

Em palestra no Asset Day da Empiricus Gestão, que aconteceu em São Paulo nesta quarta-feira (29), Schuler avalia que o Brasil é um país bifurcado, que não chega em um consenso. 

“É um problema brasileiro, é um país bifurcado com duas turmas que pensam de maneiras muito diferentes”, defendeu.

Neste cenário, ele aponta que a agenda do país passa por um nível de polarização que muitas vezes não acompanha o é realmente importante para o seu desenvolvimento se atendo a pequenas discussões que evidenciam a defesa de cada lado.

Sobre a atual gestão, ele pondera que Lula assumiu a direção do país com a cabeça de 20 anos atrás, o que vê como bom e ruim. Por um lado, ele aponta que presidente é um político hábil, contudo, vem trazendo uma visão de país e de programas que eram cabíveis duas décadas atrás.

Para ele, o Brasil está vivendo um ciclo contra reformista, que não avalia que seja como no estilo de Dilma Rousseff — entre 2010 e 2016 –, mas que não carrega a euforia vista nos dois mandatos anteriores de Lula. Ainda, destaca a importância de reformas administrativas para organização das contas públicas.

Lula vai deixar legado?

Schuler aponta que Lula é uma figura que se mantém presente e forte no cenário político há anos, contudo, não vê um “lulismo” como forma de pensamento — da maneira que se configurou um “bolsonarismo” — e, com isso, Lula não deixa herdeiros ou legados, apesar de nomes como o do ministro da Fazenda, Fernando Haddad, ser visto como possível sucessor.

Para ele, é interessante que novos nomes protagonizem as eleições, tendo em vista a inelegibilidade de Bolsonaro, de maneira que questões do passado não tomem o centro de debates, mas se abra espaço para a discussão de uma agenda que impulsione o país.

Repórter
Formada em jornalismo pela Universidade Nove de Julho. Foi redatora na área de marketing digital por 2 anos e ingressou no Money Times em 2022.
Linkedin
Formada em jornalismo pela Universidade Nove de Julho. Foi redatora na área de marketing digital por 2 anos e ingressou no Money Times em 2022.
Linkedin
Giro da Semana

Receba as principais notícias e recomendações de investimento diretamente no seu e-mail. Tudo 100% gratuito. Inscreva-se no botão abaixo:

*Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.