Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Fast

Manifestações continuam a paralisar Hong Kong

13/11/2019 - 7:51
Alguns serviços de trem também foram afetados. Escolas e universidades, por sua vez, cancelaram as aulas por precaução (Imagem: Justin Chin/Bloomberg)

Hong Kong continua em estado de muita tensão dois dias após um policial atirar contra um manifestante à queima-roupa.

Manifestantes contra o governo tomaram as ruas cedo na manhã desta quarta-feira (13). Eles levantaram barricadas e jogaram tijolos pelo asfalto para obstruir o tráfego. Alguns serviços de trem também foram afetados. Escolas e universidades, por sua vez, cancelaram as aulas por precaução.

As manifestações atingiram um novo patamar na segunda-feira (11), quando um policial atirou contra um homem de 21 anos. O incidente levou a embates por toda a cidade.

Os confrontos têm paralisado a região semiautônoma por mais de cinco meses. Os manifestantes continuam a pedir por reformas democráticas, mas a chefe do Executivo, Carrie Lam, afirma que a violência não irá ajudá-los a alcançar o objetivo.

Carrie Lam, líder executiva de Hong Kong
Chefe do Executivo, Carrie Lam, afirma que a violência não irá ajudá-los a alcançar o objetivo  (Imagem: Paul Yeung/Bloomberg)

“Os manifestantes querem paralisar Hong Kong e criar uma situação que impede as pessoas de irem ao trabalho ou à escola. Esses atos são muito egoísta”, afirmou.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

A escalada da violência coincide com a preparação da cidade para as eleições distritais que serão realizadas no próximo dia 24. Carrie Lam insiste que seu governo pretende realizar as eleições de forma segura, justa e ordeira.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

Última atualização por Rafael Borges - 13/11/2019 - 7:51