Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Marink Martins: IPOs são como Angelina Jolie – um perigo!

14/02/2019 - 19:52

Por Marink Martins, do MyVOL e autor da newsletter Global Pass

Quem não gosta de um IPO? Os bancos adoram. Os jornais também. Os novatos da bolsa ficam fascinados.

Os IPOs – Ofertas Públicas Iniciais ou, em inglês, Initial Public Offerings – historicamente estão associados a topos nos mercados. E se pararmos para refletir, tal reação é natural e intuitiva. Afinal, qualquer insider que se preze, vende suas ações na alta, e as recompram na baixa.

Entretanto, os IPOs nos chegam de forma elegante, bem vestidos; com uma aparência de Angelina Jolie para os homens ou de Brad Pitt para as mulheres.

Em preparação para tais lançamentos, a mídia financeira irá te lembrar do IPO da Google, da Facebook, da Natura e de outros casos de sucesso. Não se esqueçam de uma coisa: as operações de underwriting de renda variável estão entre as mais lucrativas para a indústria. Sendo assim, se eles ganham tanto assim, quem é que banca a festa, hein?

Eu poderia dedicar este texto para explorar o que está por trás da vestimenta das candidatas a um IPO, mas deixarei isso para um próximo texto. O meu foco neste momento é te informar que um IPO representa um importante dreno nos fluxos de capitais para as bolsas e contribuem para uma eventual baixa nos principais índices.

Não faz muito tempo, tivemos por aqui o IPO da BR Distribuidora que arrecadou R$5 bi na maior emissão no mercado brasileiro desde 2013. As semanas que antecederam a operação foram penosas para os mercados, com diversos gestores correndo para gerar caixa e não ficar de fora da operação. Neste sentido, vendeu-se ações de empresas já estabelecidas, para a compra de uma emissão nova.

É quase sempre assim! Quando isso ocorre em larga escala como ocorreu em 2008, temos um enorme problema!

Curiosamente, o sempre otimista Jim Cramer, âncora do famoso programa Mad Money na CNBC, disse ontem que, mais do que as tensões sino-americanas, os iminentes IPOs representam o maior risco às bolsas norte-americanas.

Diz ele que não há dinheiro novo para absorver toda a oferta que está por vir. Cramer se referia aos iminentes IPOs de empresas já consagradas que estão na fila para tomar o capital do pequeno investidor. Dentre elas: Levi Strauss, UBER, Lyft, Pinterest, Palantir, Slack, AirBNB, Grubhub e outras.

Imagino que a fila para IPOs na B3 não esteja muito menor!

A questão aqui é que não podemos esquecer que, ao contrário de 2008, convivemos hoje com governos extremamente endividados e com “Market Makers” limitados em seu “poder de fogo” devido a regras como a Dodd-Franck e outras.

Hoje, este enorme endividamento visto por aí representa um grande dreno para o mercado. Temos aí o famoso efeito conhecido por economistas como efeito de crowding out, onde governos tomam recursos dos mercados para a rolagem de suas dívidas, os desviando de um destino mais produtivo.

Por tudo isso, para cada dólar ou o real dedicado a IPOs temos um dólar ou real a menos dedicado as ações existentes. E o processo não ocorre de forma simultânea. Primeiramente vende-se para, em seguida, comprar em um IPO.

Sendo assim, concluo este texto com a seguinte recomendação aos investidores:

Ao ouvir o acrônimo IPO, o investidor, fingindo ser alguém que não quer nada, deve caminhar-se lentamente para as proximidades da porta de saída.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Leia mais sobre: Inversa, IPO, Marink Martins, Opinião

Última atualização por Gustavo Kahil - 14/02/2019 - 19:52