Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Mau hálito garante royalty perpétuo a acionistas do Listerine

13/07/2020 - 15:38
Johnson & Johnson
A J&J comprou a divisão de produtos de consumo da Pfizer em 2006 (Imagem: Reuters/Brendan McDermid)

Uma raridade foi a leilão: um investimento que trará ganhos enquanto as pessoas se preocuparem com o mau hálito.

Até terça-feira, serão aceitos lances por uma fatia dos royalties garantidos pelas vendas de enxaguante bucal Listerine.

O esquema é consequência de contratos assinados há 140 anos pelo inventor do produto e ainda estudados nas aulas de direito comercial, que obrigam o fabricante — atualmente a Johnson & Johnson — a pagar os acionistas em perpetuidade.

Esse grupo de acionistas já incluiu a Arquidiocese de Nova York, o Exército da Salvação e o ex-governador de Nova Jersey Chris Christie.

“É um contrato que estabelece que esses royalties precisam ser pagos enquanto o Listerine for vendido”, explica Gary Young, cofundador da Royalty Exchange, que está organizando o leilão de uma única ação. “É um contrato maluco”.

Em tempos de pandemia de coronavírus, em que alguns investidores não encontram porto seguro, a Royalty Exchange aposta que a compra de uma fatia do famoso tratamento para halitose pode atrair muitos interessados. Mais de 110 lances já foram apresentados e o preço passou de US$ 340.000.

A fatia que está à venda resultou em pagamento de apenas US$ 32.000 no ano passado. No entanto, o pagamento continuará enquanto o Listerine “matar germes que causam mau hálito”, como diz o slogan da marca.

No crescente mercado global enxaguantes bucais e dentais, que movimenta US$ 5,2 bilhões, o Listerine é de longe o líder, com 37% de participação no ano passado, segundo a firma de pesquisas Euromonitor International.

De acordo com Melissa Munoz, porta-voz da J&J, o enxaguante bucal já foi usado por mais de 1 bilhão de pessoas em mais de 85 países.

É também uma clássica história de negócio bem sucedido nos EUA. “Eles criaram uma doença que ninguém sabia que tinha e desenvolveram uma cura”, disse o historiador de medicina Leonard Vernon.

A fórmula do Listerine foi inventada por Joseph Lawrence, médico de St. Louis que originalmente comercializou o produto para tratar caspa e gonorreia.

Ele quis desenvolver um antisséptico depois de ouvir o famoso médico britânico Joseph Lister, que descobriu que os desinfetantes poderiam reduzir infecções pós-cirúrgicas.

Lawrence não estava conseguindo vender o Listerine por conta própria, então vendeu a fórmula a um farmacêutico chamado Jordan Wheat Lambert em troca de pagamentos de royalties com base nas vendas.

Listerine
A fórmula do Listerine foi inventada por Joseph Lawrence, médico de St. Louis que originalmente comercializou o produto para tratar caspa e gonorreia (Imagem: Facebook/Listerine)

O acordo original era de US$ 20 por lote de 144 frascos, depois reduzido para US$ 6 por lote. Hoje está em US$ 6 sobre determinado volume de líquido vendido, já que as embalagens vêm em tamanhos diferentes, de acordo com Young.

A empresa de Lambert fez uma fusão com a Warner-Hudnut em 1955 e passou a se chamar Warner-Lambert. A nova companhia moveu um processo para cessar o pagamento dos royalties, que totalizavam US$ 1,5 milhão por ano. O argumento foi que o contrato se baseava em um segredo comercial — a fórmula do Listerine — que já não era mais segredo. A decisão judicial de 1959 ainda é ensinada a estudantes de direito.

O juiz discordou, afirmando que a obrigação de continuar os pagamentos era “clara na linguagem dos acordos e implícita em seus termos”.

A Warner-Lambert foi comprada pela Pfizer em 2000. A J&J comprou a divisão de produtos de consumo da Pfizer em 2006.

Durante todo esse tempo, os royalties foram pagos mensalmente sobre as vendas nos EUA e trimestralmente sobre as vendas globais. Atualmente, os herdeiros de Lawrence dividem cerca de metade dos royalties, disse Young.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Rafael Borges - 13/07/2020 - 15:38