Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Métricas recentes de preço do token LINK sugerem tendência de alta

08/07/2020 - 14:02
Traduzido e editado por Daniela Pereira do Nascimento
chainlink
Aspectos técnicos para o mercado LINK/USD permaneceram em território de alta (“bullish”) desde a queda em março, em que o preço do LINK se manteve acima tanto da média móvel exponencial de 100 dias e da Nuvem de Ichimoku de 12 horas (Imagem: ChainLink)

Chainlink (LINK) é uma rede descentralizada de oráculo na Ethereum.

A rede foi criada para conectar fontes de dados fora do blockchain (“off-chain”), como APIs (interfaces de programação de aplicações), feeds de dados ou pagamentos bancários, para contratos autônomos no blockchain (“on-chain”). Chainlink foi ao ar no dia 30 de maio de 2019.

A capitalização de mercado do LINK é de US$ 2,14 bilhões, com base no fornecimento em circulação do token de 318 milhões, com um volume de negociação de US$ 466 milhões nas últimas 24 horas.

Chainlink está atraindo a atenção do mercado por conta de uma nova alta de preço esta semana, que aumentou desde março. Dentre o top 20 de criptomoedas por capitalização de mercado, LINK foi a de melhor desempenho nos mercados em dólar durante 2019.

A equipe fundadora do LINK é comandada pelo CEO Sergey Nazarov e o CTO Steven Ellis.

Conselheiros do projeto incluem Ari Juels, professor de Ciência da Computação na Cornell Tech e diretor da IC3; Andrew Miller, professor assistente de Ciência da Computação da Universidade de Illinois e consultor do Zcash e Tezos; e Hudson Jameson da Ethereum Foundation.

A oferta inicial de moeda (ICO) do LINK arrecadou 114.285 ETH, ou US$ 32 milhões, em setembro de 2017. Os tokens só podiam ser comprados em ether.

Os tokens foram vendidos de forma privada antes da ICO a 3.210 LINK/ETH, custando aproximadamente US$ 0,09 por token, e vinham com um bônus de 20%. Tokens na venda pública foram oferecidos a 2.6 mil LINK/ETH ou, aproximadamente, US$ 0,11 por token.

Ambas as vendas totalizaram o fornecimento em circulação para 350 milhões de tokens LINK.

Mais 650 milhões de tokens LINK foram emitidos, em que 55% serão distribuídos a operadores de nós e recompensas do ecossistema, enquanto 45% serão alocados à empresa-mãe do LINK, Smart Contract Limited.

Smart Contract Limited foi fundada em setembro de 2014 e escolhida como uma das “Aplicações de Blockchain de 2017” do selo “Cool Vendor” da Gartner.

Smart Contract Limited firmou parceria com a plataforma de mensagens interbancárias SWIFT após completar a primeira fase de uma prova de conceito (PoC) em junho de 2017.

Desde a ICO, Smart Contract Limited parece ter vendido 30,5 milhões de tokens, com base em dados disponíveis de carteira. Os tokens restantes parecem não terem bloqueio ou cronograma de aquisição.

As duas movimentações mais recentes do token aconteceram nos dias 12 e 29 de junho, ambas de 500 mil tokens.

Fornecimento do token LINK.
Saldo de carteira em LINK da Smart Contract Limited.

LINK é um token ERC-20, com o acréscimo da funcionalidade de transferência do padrão ERC-20, permitindo que tokens sejam recebidos e processados por contratos em uma única transação.

O token LINK é utilizado para pagar operadores de nós da Chainlink pela coleta de dados de feeds de preço externos, a formatação de dados em formatos legíveis pelo blockchain e computação “off-chain”). O número de operadores de nós continuou a crescer de forma estável desde o lançamento.

Contagem de transações de contratos na Chainlink (Imagem: Tableau Public)

LINK possui 21 oráculos de preço para a Ethereum, que podem ser usados como uma fonte agregada e confiável de preço para aplicações de finanças descentralizadas (DeFi).

LINK também fornece dados descentralizados de referência de preço para inúmeros outros pares em dólar e ether e podem ser usados por diversos tipos de aplicações, sejam elas nativas de cripto ou não.

(Imagem: Chainlink)

A rede descentralizada possui três abordagens para evitar dados falsos e reduzir vulnerabilidades. Dados enviados pela rede são curados e verificados por meio de uma grande votação, que evita um ponto único de falha no sistema de oráculo.

A rede também circula entre oráculos e apresenta um sistema de reputação e certificação para desempenho do oráculo. Componentes de hardware também protegem a integridade e confidencialidade de dados para assegurar a transferência de dados privados e à prova de falsificação entre oráculos e contratos autônomos.

Quando um contrato autônomo precisar de dados da ChainLink, cada nó na rede envia seus dados e os nós para fazer o staking de seus tokens LINK. Se o nó tiver enviado dados ruins, seus tokens LINK são distribuídos para nós que enviaram dados bons.

Esse sistema de punição incentiva um fluxo contínuo de dados honestos para fontes descentralizadas. Atualmente, a rede fornece suporte à Ethereum, Bitcoin e Hyperledger, com parcerias incluindo Google, Intel e Oracle.

Ecossistema de rede descentralizado de oráculos (Imagem: Twitter/TheLinkMarine1)

Na rede, o número de transações no blockchain por dia (linha no gráfico abaixo) e o valor médio de transações em dólar (preenchimento no gráfico abaixo) estiveram inversamente correlacionados desde meados de maio de 2019.

A média de transações por dia ao longo de um período semanal atingiu uma alta recorde de 7,6 mil no início deste ano. Valores médios de transação variaram entre US$ 1,5 mil e US$ 4,5 mil desde fevereiro. Os valores médios de transação atingiram US$ 86 mil em 29 de novembro de 2018.

(Imagem: CoinMetrics)

O valor da rede Kalichkin nos últimos 30 dias para estimar a proporção diária de transações (NVT) no blockchain (linha no gráfico abaixo) variou bastante entre o curto histórico e atingiu uma nova baixa no fim de setembro de 2019. NVT está próxima à sua baixa histórica.

Uma NVT em queda sugere que a moeda é subvalorizada com base na atividade e utilidade econômica, o que deve ser considerado como um indicador positivo de preço.

Endereços ativos mensais (preenchimento no gráfico abaixo) se moveram com o preço do LINK/USD. Entre maio e julho de 2019, endereços mensais ativos aumentaram 13 vezes, atingindo uma alta recorde de quase 2,4 mil, enquanto o preço do mercado em dólar aumentou em quase seis vezes.

Atualmente, endereços mensais ativos estão próximos à sua alta recorde. No dia 29 de junho de 2019, o número de endereços diários ativos ultrapassou 10 mil. Um aumento contínuo nos endereços mensais ativos pode ser considerado como um indicador positivo de preço.

(Imagem: CoinMetrics)

O projeto Chainlink possui 100 repositórios no GitHub, em que o repositório mais ativo teve mais de quatro mil contribuições no último ano por 33 desenvolvedores.

Grande parte das moedas usam a comunidade de desenvolvedores do GitHub em que arquivos são salvos em pastas chamadas de “repositórios” ou “repos”. Alterações a esses arquivos são registradas com “contribuições”, que salvam um registro das alterações realizadas, além de quando e por quem.

Apesar de contribuições representarem quantidade e não necessariamente qualidade, um grande número de contribuições pode significar maior interesse e atividade por desenvolvedores.

(Imagem: Github/smartcontractkit/chainlink)

O volume de LINK negociado em corretoras nas últimas 24 horas foi dominado pelos pares tether (USDT) e bitcoin (BTC) na Binance e na Coinbase. Os pares dólar (USD) e ether (ETH) contabilizam uma grande porção dos volumes relatados.

LINK se beneficiou de inúmeras adições de pares em inúmeras corretoras nos últimos dois anos, impulsionando altos níveis de liquidez global.

Pares com LINK foram listados na Binance em setembro de 2017, na Huobi em janeiro de 2018, na Coinbase em junho de 2019, na HitBTC em julho de 2019, na Kraken em setembro de 2019, na Bittrex em dezembro de 2019, na Poloniex em março de 2020 e na Gemini em abril de 2020.

Binance.com também acrescentou um contrato perpétuo de futuros em LINK/USDT, com uma margem de 75 vezes no início deste ano, além de deslistar o par LINK/PAX. Link não é listada na Bitfinex.

O interesse mundial pelo termo “chainlink crypto” no Google Trends aumentou drasticamente entre abril e junho de 2019, correspondendo a um aumento nos preços à vista do LINK.

O interesse parece ter diminuído desde seu auge em junho, com rápidos e menores picos de interesse. O auge durou bem mais após a ICO.

Um breve aumento em pesquisas para “bitcoin” aconteceu antes da bull run do quarto trimestre de 2017, provavelmente sinalizando uma entrada de novos participantes do mercado na época.

Um estudo realizado em 2015 descobriu uma forte correlação entre os dados do Google Trends e o preço do bitcoin, enquanto um estudo de 2017 concluiu que quando as pesquisa nos EUA sobre “Bitcoin” aumentam drasticamente, o preço do bitcoin cai.

(Imagem: Google Trends)

Análise técnica

Roteiros de desenvolvimento (roadmaps) para confirmação de tendências e força podem ser encontrados usando Médias Móveis Exponenciais (MME), perfil de volume do intervalo visível (VPVR), pontos de pivô, a Nuvem de Ichimoku, “pitchforks” (“garfos de Andrew”) e padrões gráficos.

Clique aqui para obter mais informações sobre as análises técnicas descritas abaixo.

No gráfico diário de 12 horas para o mercado LINK/USD, o preço à vista relacionado à MME de 50 dias e à de 200 dias podem ser usadas como um teste decisivo para a tendência.

Essas médias ficaram positivas no dia 16 de abril após a anterior queda de 70% no preço. Ambas as MMEs estão acima de US$ 4 e poderão servir de suporte.

VPVR (barras horizontais no gráfico abaixo) demonstra suporte para a zona dos US$ 3,com pouca resistência de volume no futuro. Apesar do Índice de Força Relativa (RSI) e o volume não demonstrarem divergências de alta ou baixa, o RSI atingiu uma baixa de 17 no dia 12 de março.

Já que o preço agora entra na descoberta de preço, pivôs anuais e a extensão de Fibonacci (Fibs) de 1.618 da alta e baixa de março sugerem uma zona de resistência entre US$ 6,50 e US$ 7.

Em relação à Nuvem de Ichimoku, existem quatro métricas essenciais: o preço atual em relação à nuvem, a cor da nuvem (vermelho para baixa, verde para alta), as cruzes Tenkan (T) e Kijun (K) e o período de atraso (“lagging span”).

A melhor entrada acontece quando a maioria dos sinais disparam de baixa para alta, ou vice-versa.

No gráfico de 12 horas, as métricas da Nuvem indicam uma alta. O preço à vista está acima da Nuvem, então a Nuvem indica uma alta, assim como as cruzes T/K. O período de atraso está acima da Nuvem e do preço à vista.

A tendência irá continuar positiva contanto que o preço à vista se mantenha acima da nuvem. O apoio de Kijun está em US$ 4,77. Desde o aumento de Kumo em abril, a Nuvem teve dois cruzamentos de alta (linha amarela) acima da Nuvem, sugerindo bastante uma tendência contínua de alta.

As variações de histórico de preço também podem fornecer uma faixa de possíveis preços-alvo para uma zona de alta e de baixa.

Usando “backtesting” (método geral que avalia uma estratégia de negociação ao descobrir como ela aconteceria usando apenas dados históricos), inúmeras iterações de qualquer média de um quadro temporal de preço alto podem ser usadas, contanto que altas anteriores possam ser previstas de forma precisa.

Preços abaixo da média móvel podem ser áreas que poderão encontrar apoio e devem ser consideradas como condições de sobrevenda. Preços acima de alguns múltiplos da média móvel podem ser zonas que, provavelmente, encontram resistência e devem ser consideradas como condições de sobrecompra.

Atualmente, a média móvel de um semestre fornece um limite inferior de US$ 3,55. O multiplicador em cinco vezes do semestre fornece um limite superior de US$ 10,69.

No gráfico diário para LINK/BTC, as métricas de tendência permanecem em baixa. O preço se manteve acima da MME de 200 dias desde agosto de 2018. Além disso, desde 2018, todas as quedas abaixo da Nuvem foram temporárias, resultando em uma tendência contínua de baixa.

A tendência se manterá em baixa enquanto o preço à vista estiver acima desses dois níveis importantes. O suporte ao VPVR de alto volume estará próximo à zona de 12 mil sats caso o preço caixa abaixo da MME de 200 dias.

Um alto quadro temporal de “pitchforks” (“garfos de Andrew”) com pontos de âncora em julho de 2019 e janeiro e maio de 2019 englobam a ação de preço atual. Em qualquer tendência, o preço à vista volta para a linha mediana diversas vezes — atualmente, a 56.750 sats (linha amarela).

Com base na linha média e resistência anual de pivô, espera-se que haja um preço de 72 mil sats em setembro deste ano, caso a tendência continue. Um preço próximo a 32 mil sats provavelmente invalidaria a tendência atual.

No gráfico diário para LINK/ETH, métricas de tendência são parecidas com o gráfico LINK/BTC; o preço esteve acima tanto da MME de 200 dias como da Nuvem desde julho de 2019. A tendência continuará em alta enquanto o preço à vista estiver acima dos níveis importantes.

A resistência positiva dos pivôs anuais está em 0,025 ETH. Se e quando essa tendência for revertida, pouco apoio negativo do VPVR existirá até atingir o nível de 0,0036 ETH.

O preço também formou um possível padrão de reversão de baixa, a cunha (“wedge” crescente). Características desse padrão incluem uma série de altas superiores e baixas superiores contidas em uma zona de contração.

Segundo Thomas Bulkowski, especialista de padrões gráficos, “cunhas crescentes são um dos piores padrões gráficos de desempenho que podem irromper para qualquer direção, mas acabam caindo 60% das vezes”.

Conforme cada vez mais blockchains não compatíveis, APIs e conjuntos de dados começam a surgir, o mesmo vale para a necessidade de trazer interoperabilidade aos mundos “on-chain” e “off-chain”.

LINK deseja solucionar esse problema por meio de uma rede descentralizada de oráculo de operadores de nós, incentivada a propagar dados precisos ao fazer o staking de LINK.

Até agora, LINK estabeleceu importantes provas de conceito ou parcerias com SWIFT, Google, Oracle e Intel, pois todas são líderes nas indústrias bancárias ou de armazenamento em nuvem.

Métricas “on-chain” para o token LINK, a atividade de desenvolvimento no GitHub e Google Trends mostram um forte e contínuo aumento na atividade nos últimos meses, que apoia os recentes aumentos positivos de preço e a contínua tendência positiva de preço.

Oráculos executados pelo LINK rapidamente se tornaram um alicerce fundamental para o universo DeFi. Porém, essa onda de atividade “on-chain” provavelmente está relacionada à demanda especulativa, não necessariamente ao uso orgânico da rede.

Além disso, os 268 milhões de tokens mantidos pela Smart Contract Limited podem ser vendidos a qualquer momento. Com base na atividade recente de carteiras, 500 mil são movimentados a cada duas semanas.

Aspectos técnicos para o mercado LINK/USD permaneceram em território de alta (“bullish”) desde a queda em março, em que o preço do LINK se manteve acima tanto da média móvel exponencial de 100 dias e da Nuvem de Ichimoku de 12 horas.

Outras descobertas de preço provavelmente encontrarão resistência no pivô anual e na extensão Fibs de 1.618 entre US$ 6,55 e US$ 7. Recuos a curto prazo poderão encontrar suporte entre US$ 3,80 e US$ 4.

Aspectos técnicos para os pares LINK/BTC e LINK/ETH sugerem uma previsão de alta com uma tendência contínua de alta por diversos anos. Ambos os pares estão acima da MME de 200 dias e da Nuvem diária.

Se os preços aumentarem ao longo de 2020, tokens LINK mantidos pela Smart Contract Limited podem ser vendidos novamente, como foi o caso entre julho e agosto de 2019.

Além disso, se ETH disponibilizar staking ainda este ano, o par LINK/ETH poderá entrar em um mercado de baixa a curto prazo impulsionado por especuladores de ETH.

Novo! Receba Grátis a Newsletter
Crypto Times
Uma newsletter que minera informação para você!

Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Daniela Pereira do Nascimento - 11/09/2020 - 9:12