BusinessTimes

Minoritários contestam acordo de R$ 1,2 bilhão de Gol e Smiles e têm vitória parcial

14 jul 2020, 9:57 - atualizado em 14 jul 2020, 9:57
Sorriso amarelo: minoritários dizem que acordo com a Gol lesa a Smiles (Imagem: Site Smiles)

O conselho de administração da Smiles (SMLS3) aprovou a convocação de uma assembleia geral extraordinária de acionistas a ser realizada em 20 de agosto. Trata-se de uma pequena vitória dos acionistas minoritários, que questionam a última transação da empresa com a sua controladora, a Gol (GOLL4).

Os minoritários contestam os termos da venda antecipada de passagens pela Smiles à Gol, realizada no mês passado. O negócio foi fechado por R$ 1,2 bilhão, mas os minoritários desejam anulá-lo, alegando que os diretores da Smiles excederam seu poder e celebraram um contrato injusto (não comutativo e não equitativo).

Por isso, esse grupo de acionistas exige que a Gol indenize a empresa de programas de fidelidade em R$ 426 milhões. A companhia aérea também deveria ressarcir a Smiles em R$ 15 milhões pelas despesas com a assessoria financeira e jurídica referente à reorganização societária.

Em juízo

Os minoritários também desejam processar a diretoria da Smiles e a Gol por eventuais prejuízos causados pela transação. Para tanto, os minoritários exigiram a realização de uma assembleia extraordinária.

O conselho de administração entendeu, contudo, que a assembleia pode ser convocada, mas a pauta deve se restringir à discussão de um eventual processo contra a direção da Smiles.

Veja a ata da reunião do conselho de administração.

Diretor de Redação do Money Times
Ingressou no Money Times em 2019, tendo atuado como repórter e editor. Formado em Jornalismo pela ECA/USP em 2000, é mestre em Ciência Política pela FLCH/USP e possui MBA em Derivativos e Informações Econômicas pela FIA/BM&F Bovespa. Iniciou na grande imprensa em 2000, como repórter no InvestNews da Gazeta Mercantil. Desde então, escreveu sobre economia, política, negócios e finanças para a Agência Estado, Exame.com, IstoÉ Dinheiro e O Financista, entre outros.
Linkedin
Ingressou no Money Times em 2019, tendo atuado como repórter e editor. Formado em Jornalismo pela ECA/USP em 2000, é mestre em Ciência Política pela FLCH/USP e possui MBA em Derivativos e Informações Econômicas pela FIA/BM&F Bovespa. Iniciou na grande imprensa em 2000, como repórter no InvestNews da Gazeta Mercantil. Desde então, escreveu sobre economia, política, negócios e finanças para a Agência Estado, Exame.com, IstoÉ Dinheiro e O Financista, entre outros.
Linkedin