Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Coin DTVM

MP junto ao TCU pede afastamento de Ricardo Salles

16/04/2021 - 21:52
Ricardo Salles
O ministro foi acusado de obstruir uma apuração de apreensão recorde de madeira ilegal na região amazônica (Imagem: REUTERS/Adriano Machado)

O Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União (TCU) pediu o afastamento temporário do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, sob acusação de “ingerência indevida” após a Polícia Federal ter dito que ele atuou em favor de madeireiros alvos de uma operação que realizou uma apreensão recorde de madeira ilegal em dezembro passado.

A acusação feita pela PF contra Salles, sob responsabilidade do delegado Alexandre Saraiva, foi remetida ao Supremo Tribunal Federal (STF) e se deu em meio à troca, anunciada na quinta-feira pela direção da polícia, do superintendente da corporação no Amazonas, Alexandre Saraiva, responsável pela investigação, do cargo.

O ministro foi acusado de obstruir uma apuração de apreensão recorde de madeira ilegal na região amazônica, de favorecer madeireiros e ainda de integrar uma organização criminosa envolvida num esquema de receptação e crimes ambientais. Salles só pode ser investigado criminalmente perante o Supremo.

Para o subprocurador-geral do TCU Lucas Furtado, a atuação de Salles merece a devida atenção do TCU.

Abrão Filho aumenta 135% sua receita em 2021

“A atuação do ministro do Meio Ambiente, na sequência dos acontecimentos, revela um total descolamento das atribuições do cargo que exerce, que deveria se pautar pela defesa do meio ambiente e pela fiscalização de atividades ilegais que resultam em dano ao patrimônio ambiental brasileiro”, disse.

“Ao contrário do que se esperava da atuação do ministro, ele vem atuando, segundo narrado na notícia crime, em defesa dos interesses dos madeireiros que realizaram as extrações ilegais e criminosas”, completou.

À Reuters, Salles disse que não fez nada para impedir a operação. Para o ministro, o delegado da PF fez um “último ato midiático” sem “nenhum fundamento”, quando já sabia que deixaria a Superintendência da PF no Amazonas, antes de ser comunicado oficialmente.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Bruno Andrade - 16/04/2021 - 21:52

Pela Web