ImóvelTimes

MRV (MRVE3): Em meio a boatos, empresa divulga prévia operacional; veja destaques

11 jan 2024, 18:49 - atualizado em 11 jan 2024, 18:49
MRV
Após três trimestres seguidos com geração de caixa negativa, a MRV encerrou o período com o R$ 190 milhões no positivo (Imagem: Divulgação)

A MRV (MRVE3) vendeu 55% mais no quarto trimestre de 2023 ante o mesmo período do ano passado, mostra prévia operacional enviada ao mercado nesta quinta-feira (11). Segundo o documento, a empresa embolsou R$ 2,3 bilhões com vendas líquidas de incorporação. Ante o terceiro trimestre, a alta é de 4,3%.

Segundo a companhia, a MRV registrou seu recorde histórico de vendas líquidas, tanto em um único trimestre quanto no ano.

“Além dessa expressiva evolução no volume de vendas líquidas, a companhia teve, também, novo aumento no ticket médio, de 2,9% no comparativo com o terceiro trimestre e de 18,6% quando comparado ao quarto trimestre de 2024”, destaca.

Nesta quinta-feira, as ações da empresa desabaram em meio a boatos de que a MRV teria reduzido as projeções para 2024, com margens mais espremidas e redução do lucro projetado.

MRV: Parou a queima de caixa

Após três trimestres seguidos com geração de caixa negativa, a MRV encerrou o período com o R$ 190 milhões no positivo, sendo:

  • MRV Incorporação: R$ 137 milhões,
  • Luggo: R$ 27 milhões, e;
  • Urba: R$ 26 milhões.;

De acordo com a empresa, os números confirmam o turnaround (recuperação) da companhia.

O diretor financeiro da MRV&Co, Ricardo Paixão, atribuiu o desempenho ao cenário macroeconômico favorável, com desemprego e inflação mais baixos, inclusive de materiais e mão-de-obra, além das novas regras do programa do governo Minha Casa, Minha Vida.

“Isso, atrelado à qualidade operacional da companhia, tem feito com que a gente consiga apresentar resultados cada vez melhores no mercado”, afirmou o executivo à Reuters.

Editor-assistente
Formado pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, cobre mercados desde 2018. Ficou entre os 50 jornalistas +Admirados da Imprensa de Economia e Finanças das edições de 2022 e 2023. É editor-assistente do Money Times. Antes, atuou na assessoria de imprensa do Ministério Público do Trabalho e como repórter do portal Suno Notícias, da Suno Research.
Linkedin
Formado pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, cobre mercados desde 2018. Ficou entre os 50 jornalistas +Admirados da Imprensa de Economia e Finanças das edições de 2022 e 2023. É editor-assistente do Money Times. Antes, atuou na assessoria de imprensa do Ministério Público do Trabalho e como repórter do portal Suno Notícias, da Suno Research.
Linkedin