Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

NotreDame Intermédica não empolga Credit Suisse, em início de cobertura

03/06/2020 - 17:29
Sem grandes expectativas: para Credit Suisse, ações da NotreDame já está bem perto do valor justo (Imagem: Equipe Money Times)

O Credit Suisse iniciou a cobertura do Grupo NotreDame Intermédica (GNDI3) com recomendação neutra para os papéis. O motivo é que, para o banco suíço, não há nada no horizonte que possa gerar valor relevante para a operadora de planos de saúde.

Para confirmar sua tese, o preço-alvo estimado pelo Credit Suisse para as ações é de R$ 63. Trata-se de uma alta potencial de apenas 2% sobre a cotação do dia 1º, usada como referência pela instituição.

Em relatório obtido pelo Money Times, o analista Maurício Cepeda afirma que a NotreDame possui um bom histórico de gestão e reestruturação.

Essa experiência pode beneficiar o grupo, na busca pela ampliação do número de vidas seguradas, a fim de reduzir a taxa de sinistros (MLR ou medical loss ratio, na terminologia em inglês).

Isso é particularmente positivo no caso da NotreDame, já que a empresa foca planos de saúde de baixo custo e baixo preço, e precisa lidar com as crescentes pressões sobre os custos.

O analista, aliás, espera que a atratividade do papel seja atrapalhada, no curto prazo, por pressões sobre os lucros, o que elevaria o múltiplo P/L (preço-lucro). Atualmente, o papel é negociado pelo equivalente a 40 vezes o P/L.

Hapvida agradece

Nesta quarta-feira (3), o Credit Suisse iniciou a cobertura de outra empresa do setor de saúde, a Hapvida (HAPV3). Embora o preço-alvo seja exatamente o mesmo que o da NotreDame (R$ 63), o banco está bem mais otimista com este papel.

Chegou a nova newsletter Comprar ou Vender

As melhores dicas de investimentos, todos os dias, em seu e-mail!

Última atualização por Márcio Juliboni - 03/06/2020 - 17:29