O crescente comércio ilegal de defensivos terá nova arma de combate nas alfândegas

21/07/2021 - 15:15
Brasil ganha ferramenta para atenuar a entrada de agentes químicos ilegais para a agricultura (Imagem: REUTERS/Ueslei Marcelino)

Ao longo de 2020, o uso de defensivos agrícolas ilegais no Brasil, de origem contrabandeada ou por importações que passaram pela fiscalização, representou cerca de US$ 4 bilhões, segundo mitigação de dados entre cargas apreendidas e avaliações do setor produtivo.

Se já há críticas veladas sobre o governo, por liberar agentes a toque de caixa, na contramão de várias legislações mundiais, em 2021 o aumento do que está fora da lista oficial está sendo considerado expressivo, depois do dólar ficar ainda mais alto.

Mas uma nova ferramenta estará à disposição dos fiscais federais do Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

O espectrômetro será usado pela primeira vez no Brasil para, em poucos segundos, detectar os agentes químicos legais e ilegais nos postos de alfândega e favorecer as apreensões e multas. Bem como diminuir a evasão de divisas.

O equipamento é portátil e entrará em uso a partir de setembro. E também se pretende que sejam disponibilizados a várias forças estaduais também envolvidas no combate ao contrabando.

O agrotóxico ilegal, sem registro liberado no Brasil, prejudica a saúde e eleva a riscos maiores a saúde humana, dos operadores de pulverizadores nas fazendas e aos consumidores, além de servirem de porta de barreira para disputas comerciais com foco sanitário contra o Brasil.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado agro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Giovanni Lorenzon - 21/07/2021 - 15:19

Pela Web