Economia

O que Fed está esperando para cortar os juros? ‘Mais bons dados’, diz Powell

09 jul 2024, 12:18 - atualizado em 09 jul 2024, 12:29
powell juros fed morning times ibovespa
Jerome Powell afirma que as leituras de inflação mostraram progresso, assim como o mercado de trabalho não está superaquecido. (Imagem: Kevin Dietsch/Pool via REUTERS)

O presidente do Federal ReserveJerome Powell, voltou a dizer que a autoridade monetária precisa de “mais bons dados” econômicos antes de começar a cortar os juros nos Estados Unidos.

Em sabatina no Congresso americano, nesta terça-feira (9), o dirigente do Fed destacou que a inflação permanece acima da meta de 2%, mas que os números têm melhorado nos últimos meses.

“As leituras de inflação mais recentes, no entanto, mostraram algum progresso modesto, e mais dados bons fortaleceriam nossa confiança de que a inflação está se movendo de forma sustentável em direção a 2%”, disse Powell em seu testemunho.

“As expectativas de inflação de longo prazo parecem permanecer bem ancoradas, conforme refletido em uma ampla gama de pesquisas de famílias, empresas e analistas, bem como medidas dos mercados financeiros”, completou.

Na quinta-feira (11), será divulgado o Índice de Preços ao Consumidor (CPI, na sigla em inglês). Por mais que o indicador inflacionário não seja o preferido do Fed, ele ajuda os investidores a avaliarem como andam os preços nos EUA.

Powell ainda afirmou que os indicadores recentes sugerem que a economia dos EUA continua a se expandir em um ritmo sólido.

Do lado do mercado de trabalho, o presidente do banco central destacou que um amplo conjunto de indicadores sugere que as condições retornaram a aproximadamente onde estavam na véspera da pandemia — ou seja, fortes, mas não superaquecidas.

Confira as falas de Powell na íntegra

Quando o Fed vai começar a cortar os juros?

Em sua última reunião, o Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) optou por mais uma manutenção da taxa de juros de referência. A taxa segue no intervalo entre 5,25% e 5,50% — o maior em 22 anos.

No início do ano, as expectativas eram de que o afrouxamento monetário começaria ainda no primeiro trimestres, mas o cenário econômico se deteriorou, exigindo uma postura mais conservadora do Fed.

Agora, o CME FedWatch, ferramenta de monitoramento de projeções, aponta que a maioria dos economistas (71,8%) apontam em um primeiro corte de juros em setembro.

Editora-chefe
Formada em Jornalismo pela PUC-SP, tem especialização em Jornalismo Internacional. Atua como editora-chefe no Money Times e já trabalhou nas redações do InfoMoney, Você S/A, Você RH, Olhar Digital e Editora Trip.
Linkedin
Formada em Jornalismo pela PUC-SP, tem especialização em Jornalismo Internacional. Atua como editora-chefe no Money Times e já trabalhou nas redações do InfoMoney, Você S/A, Você RH, Olhar Digital e Editora Trip.
Linkedin
Giro da Semana

Receba as principais notícias e recomendações de investimento diretamente no seu e-mail. Tudo 100% gratuito. Inscreva-se no botão abaixo:

*Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.