Mercados

O que fez o Ibovespa ganhar mais de 1.000 pontos em uma hora?

03 abr 2024, 15:03 - atualizado em 03 abr 2024, 15:03
jerome powell juros americanos ao vivo fed
A alta refletiu as falas de Jerome Powell, que falou em evento da Stanford Graduate School of Business (Imagem: Federal Reserve/ Flickr)

O Ibovespa, que iniciou o dia em forte queda, de mais de 1%, chegou a virar para alta e, por volta das 14h40, operava em elevação de pouco mais de 0,04%. Para se ter ideia da disparada, o índice ganhou 1200 pontos entre 13h10 e 14h40. Apesar disso, o índice voltou a cair.



A alta refletiu o discurso de Jerome Powell, que falou em evento da Stanford Graduate School of Business. Segundo o analista Bruno Komura, as declarações estão animando o mercado pelo tom dovish e reforçando a tese de início dos cortes em junho.

Bolsas em Wall Street também viraram para alta.

“Os dados recentes não alteram substancialmente o quadro geral, que continua a ser de crescimento sólido, um mercado de trabalho forte, mas em reequilíbrio, e a inflação se aproximando de 2% em um caminho às vezes acidentado”, destacou Powell.

A inflação, com base na medida preferida do Fed, continua meio ponto percentual ou mais acima da meta do banco central, e o progresso recente tem sido mínimo. Isso fez com que algumas autoridades desconsiderassem a necessidade de reduzir os juros até perto do final deste ano.

Investidores ainda esperam um primeiro corte na taxa de juros na reunião do Fed de 11 e 12 de junho, embora as chances de isso acontecer tenham diminuído devido a dados mais sólidos. O relatório de empregos dos EUA de março será divulgado na sexta-feira, e novos dados de inflação sairão na próxima semana.

Na reunião do mês passado, o Fed manteve sua taxa de juros de referência na faixa de 5,25% a 5,50%, onde está desde julho.

Com Reuters

Editor-assistente
Formado pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, cobre mercados desde 2018. Ficou entre os 50 jornalistas +Admirados da Imprensa de Economia e Finanças das edições de 2022 e 2023. É editor-assistente do Money Times. Antes, atuou na assessoria de imprensa do Ministério Público do Trabalho e como repórter do portal Suno Notícias, da Suno Research.
Linkedin
Formado pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, cobre mercados desde 2018. Ficou entre os 50 jornalistas +Admirados da Imprensa de Economia e Finanças das edições de 2022 e 2023. É editor-assistente do Money Times. Antes, atuou na assessoria de imprensa do Ministério Público do Trabalho e como repórter do portal Suno Notícias, da Suno Research.
Linkedin