Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Fast

Oi nunca teve tão pouco dinheiro em caixa desde que quebrou: R$ 2,6 bilhões. E agora?

17/12/2019 - 17:31
Oi Empresas Telefonia
Bolso furado: dinheiro está saindo muito rápido da conta da empresa, segundo analistas (Imagem: Gustavo Kahil/Money Times)

Desde que entrou em recuperação judicial, em 20 de junho de 2016, a Oi (OIBR3) nunca teve tão pouco dinheiro em caixa. Segundo o relatório do escritório de advocacia Arnold Wald, administrador judicial do processo, a Oi encerrou outubro com caixa financeiro líquido de R$ 2,6 bilhões.

No mês em que pediu a recuperação, há mais de três anos, o valor era bem maior: R$ 4,18 bilhões.

Somente em outubro, a companhia queimou R$ 456 milhões, 15 vezes mais que os R$ 30 milhões consumidos em setembro (veja o relatório completo no fim da reportagem).

O resultado é ainda mais significativo, quando se considera que, em janeiro passado, a Oi recebeu uma injeção de capital de R$ 4 bilhões. Com isso, a empresa iniciou o ano com R$ 7,515 bilhões em caixa, dos quais restavam apenas 35% em outubro.

Dia a dia pesado

Segundo o relatório do administrador judicial, os principais desembolsos foram para manter as operações. Apenas o pagamento de fornecedores consumiu R$ 1,3 bilhão, um incremento de R$ 313 milhões sobre o mês anterior. O valor foi pressionado pelo maior pagamento intercompany de interconexão entre as empresas do grupo em recuperação judicial.

Outro item que pesou foi o aumento dos repasses para quitar comissões intercompany da Paggo Lojas, por vendas realizadas de serviços de telefonia fixa e móvel. Por último, aumentaram as despesas com aluguéis.

Evolução do caixa da Oi
(Fonte: Arnold Wald)

Investimentos acelerados

A Oi também acelerou o ritmo dos investimentos. Os R$ 881 milhões desembolsados em outubro são 49% maiores que setembro. Entre as empresas do grupo que se encontram em recuperação judicial, a Telemar respondeu por R$ 245 milhões, R$ 30 milhões a mais, em relação a setembro.

A companhia fornece serviços de telefonia fixa e de ligações de longa distância (nacionais e internacionais) na chamada região 1 da Anatel, composta pelos Estados do Norte (exceto Acre e Tocantins), e todos os Estados do Nordeste e Sudeste.

Já a Oi Móvel foi a companhia do grupo que mais elevou os investimentos: um salto de R$ 233 milhões sobre setembro, totalizando R$ 548 milhões no mês retrasado.

De acordo com a Arnold Wald, “o resultado do mês está dentro do plano estratégico de aceleração dos investimentos da companhia, principalmente em fibra ótica e de ampliação da rede móvel.”

Vai dar?

E este é a grande dúvida de alguns analistas: com tão pouco dinheiro, e consumindo rápido o que tem, haverá tempo para escapar da falência?

Quem aposta numa reviravolta da Oi afirma que o caixa da companhia ganhará um grande fôlego com a venda da Unitel, operadora de telefonia de Angola, avaliada pela diretoria da empresa em R$ 4 bilhões – justamente o valor injetado pelos acionistas no caixa em janeiro.

Oi participa da CCXP 2019
Cadê a força? Para virar o jogo, Oi precisa vender ativos, dizem analistas (Imagem: Divulgação/Oi/Facebook)

No limite, alguns apostam na venda daquilo que é, hoje, o cartão de visitas da empresa, e uma fonte importante de caixa – a área de telefonia móvel.

O dinheiro permitiria que a Oi concluísse sua reestruturação, incluindo investimentos em fibra óptica, como os citados pelo administrador judicial. A Ágora, corretora do Bradesco, é uma das casas que acredita que a operadora sairá da recuperação, tanto que seu preço-alvo para os papéis é de R$ 1,80 para 2020 – o praticamente o dobro da cotação dos últimos dias.

Os analistas mais cautelosos apontam uma série de percalços. O UBS, por exemplo, recentemente informou que seu preço-alvo para 2020 é de apenas 55 centavos por papel – menos do que o nível atual. Dois aspectos preocupam o banco suíço de investimentos.

O primeiro é a própria velocidade com que a empresa queima caixa. O banco lembrar que, apenas no terceiro trimestre, foram torrados R$ 1 bilhão.

Chegou a nova newsletter Comprar ou Vender

As melhores dicas de investimentos, todos os dias, em seu e-mail!

O segundo é a disposição da Oi em apostar em estratégias que consomem ainda mais dinheiro, como a expansão da rede de fibras, e uma eventual (e desaconselhável) participação no leilão de frequências 5G, programado pelo governo para o ano que vem.

Visto em conjunto com os dados divulgados pelo administrador judicial, não se trata, propriamente, de um quadro animador.

Veja, a seguir, a íntegra do relatório da Arnold Wald referente a outubro e divulgado nesta terça-feira (17).

Última atualização por Márcio Juliboni - 17/12/2019 - 17:31

Ibovespa sobe 0,84% em dia sem referência de Wall Street