Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Coin DTVM

Petróleo e ouro: Veja o que esperar para esta semana

01/09/2019 - 20:58
Petróleo
(Imagem: REUTERS/Brendan McDermid)

Por Barani Krishnan – Investing.com

petróleo vai devagar para os touros. Ou melhor, para os ursos.

Abrindo a semana com queda 1%, os futuros do petróleo bruto entraram em fenômeno não visto ultimamente – três dias seguidos de ganhos de cerca de 2% ou mais. Então, com o fim de semana chegando, o mercado se comportou mais como nos últimos tempos – caindo quase 3%. O resultado final: um ganho de quase 2% na semana e uma queda de 6% no mês, o pior desempenho mensal desde maio.

A volatilidade chegou para ficar no petróleo. E pode piorar à medida que os preços mudam de direção com indicadores surpreendentemente contrastantes que incluem volumes de estoque bruto épicos que sugerem melhoras nas relações EUA-China e a admissão da Rússia de que estava trapaceando e não cumprindo as metas de cortes da Opep+. Acrescente a isso um petroleiro iraniano em fuga com 2 milhões de barris e constantemente manipulando suas informações de rastreamento para enganar o governo Trump, e a história do petróleo vai de trágica para cômica.

Mas voltando às oscilações do mercado. Embora essas variações que estão provocando novas ondas no Índice de Volatilidade do Petróleo Bruto da CBOEpossam ser ótimas para o chamado vol-player, elas também podem esmagar o investidor do dia movendo-se com agilidade e pequenas margens. Daí a necessidade de cautela, independentemente da posição.

E o petróleo poderá sofrer reviravoltas mais rápidas nesta semana curta, que começa com o feriado nos EUA na segunda-feira – o Dia do Trabalho – que marca oficialmente o fim do período de pico do verão no país e termina com a divulgação do números de empregos para agosto nos EUA na sexta-feira, o Payroll.

Mas pode ser uma história diferente para ouro, que vive de más notícias. E há muito espaço para notícias decepcionantes pela frente, desde a guerra comercial em andamento até o potencial para dados sombrios sobre a indústria ou vendas no varejo na Europa. Isso ainda não levando em conta as novas as tarifas americanas sobre os produtos chineses que entram em vigor a partir de hoje: 1º de setembro: 91,6% do vestuário, 68,4% dos têxteis para o lar e 52,5% das importações de calçados serão atingidas com a tarifa de 15%.

Para o registro, o ouro subiu para uma nova máxima de seis anos nesta semana, embora tenha caído em três sessões consecutivas.

Resumo de energia

O ministro do petróleo da Rússia, Alexander Novak, admitiu na sexta-feira que os cortes na produção de Moscou não cumprirão o que foi prometido à Organização dos Países Exportadores de Petróleo, lançando uma bomba que praticamente destruiu o rali desta semana em petróleo.

Até a revelação da Novak, tanto o petróleo bruto negociado em Nova York West Texas Intermediate como o Brent, a referência global para petróleo fora dos EUA, vinham tendo um impressionante ganho diário de cerca de 2 % ou mais, ajudado por enormes 10 milhões de barris e mais uma retirada semanal de petróleo bruto americano e a ideia que o sentimento comercial EUA-China pode estar mudando para melhor.

Para piorar, a admissão russa de culpa ocorreu quando uma pesquisa da Reuters mostrou que a produção de petróleo da Opep aumentou em agosto pela primeira vez em 2019. Essa pesquisa, no entanto, citou apenas uma oferta mais alta do Iraque e da Nigéria, uma vez que a Rússia continua sendo um mero aliado da Opep, não membro. O cartel aumentou 29,61 milhões de barris por dia este mês, um aumento de 80 mil barris por dia em relação a julho, segundo a pesquisa.

Com o feriado do Dia do Trabalho de segunda-feira, o tão aguardado pico da demanda de verão para o petróleo chegará ao fim, abrindo o caminho para reduções semanais menores nos estoques de petróleo bruto enquanto o nova estação acena. A questão, porém, é a rapidez com que essa transição ocorrerá. Enquanto os ursos de petróleo esperam que os volumes praticamente caíam do penhasco a partir da primeira semana de setembro, dados históricos sugerem que a forte demanda pode se sustentar por mais algumas semanas, pelo menos.

No ano passado, durante a penúltima semana de agosto, a Administração de Informação de Energia dos EUA relatou um rebaixamento bruto de 5,8 milhões de barris. Nas quatro semanas seguintes, os estoques de petróleo bruto continuaram vendo declínios, perdendo 14,2 milhões de barris acumulados.

Em 2017, os contratos de petróleo bruto cessaram abruptamente na última semana de agosto, antes de três semanas seguidas de construções que adicionaram quase 15 milhões de barris aos estoques. Mas quase tudo isso foi resolvido nas quatro semanas sucessivas, quando os estoques caíram sem pausa.

A ressalva dessa tendência desta vez é, obviamente, a inflexível produção de petróleo bruto. De acordo com o EIA, a produção bruta atingiu outro recorde de 12,5 milhões de barris por dia na semana passada. Mas as exportações de petróleo dos EUa também têm sido fortes por meses seguidos, permanecendo frequentemente acima de 2,5 milhões de bpd e atingindo 3,0 milhões na semana passada. E o petróleo bruto também está sendo testado como substituto do petróleo iraniano na Coreia do Sul, informou a Reuters nesta semana.

WTI aumentou 21% no ano. Mas no acordo de sexta-feira de US$ 55,10 por barril, também caiu cerca de 20% em relação ao pico de abril de US$ 66,60.

Na reta final, a demanda por petróleo será medida contra os medos da recessão global e a guerra comercial, que se intensificará com as tarifas em 1º de setembro. Se nada mudar, os medos da desaceleração venceram até agora.

Calendário de energia para a semana que vem

Segunda-feira, 2 de setembro

Feriado do Dia do Trabalho

Terça-feira, 3 de setembro

Estoques de petróleo bruto da Genscape Cushing (dados privados)

Quarta-feira, 4 de setembro

Instituto Americano de Petróleo deverá publicar seu relatório semanal sobre os estoques de petróleo.

Quinta-feira, 5 de setembro

Relatório semanal do EIA sobre os estoques de petróleo.

Relatório semanal de gás natural da EIA

Sexta-feira, 6 de setembro

Dados semanais da Baker Hughes sobre a contagem de sondas de petróleo nos EUA.

Ouro
(Imagem: Michaela Handrek-Rehle/Bloomberg)

Resumo de Metais Preciosos

Os futuros de ouro subiam 6,4% em agosto. Embora isso tenha ficado aquém do salto de 7,8% de junho, é um fechamento incrível, no entanto, por longos períodos no metal precioso que os EUA e a China intensificou sua guerra tarifária ao longo de agosto. Somente na semana final as retaliações e retóricas de ambos os lados diminuíram. As autoridades chinesas disseram na sexta-feira que os negociadores de ambos os lados estavam “mantendo uma comunicação eficaz”, mesmo quando o governo Trump se preparava para acumular novas tarifas sobre as importações chinesas no domingo.

O ouro também atingiu uma máxima de seis anos em US$ 1.564,95 nesta semana e está a US$ 350 em atingir um novo recorde, o pico de US$ 1.911,60 em 2011. Embora não haja certeza de que atingirá uma alta histórica antes do final do ano, a guerra comercial e uma série de outras tensões, principalmente o conflito EUA-Irã, mantêm vivas as esperanças dos investidores do ouro por um grande ano de 2019. O metal amarelo subiu 16,5% desde janeiro.

Enquanto isso, os mercados continuam a apostar em um corte adicional de 25 pontos base nas taxas na próxima decisão política do Federal Reserve, prevista para 17 e 18 de setembro. As taxas de juros mais baixas tendem a apoiar o ouro, reduzindo o rendimento dos títulos, que competem pelo capital de investidores avessos ao risco.

O presidente do Fed de Minneapolis, Neel Kashkari, o presidente do Fed de Nova York John Williams e o presidente do Fed de Chicago Evans falam em eventos na quarta-feira que podem lançar luz sobre a direção do banco central para as taxas.

Calendário de metais preciosos da semana que vem

Segunda-feira, 2 de setembro

Feriado do Dia do Trabalhador nos EUA

PMIs Industrial da Zona do Euro (agosto)

PPI da zona euro (julho)

Terça-feira, 3 de setembro

PMI Industrial nos EUA (agosto)

Quarta-feira, 4 de setembro

Membro do FOMC Rosengren faz discurso

Índice Markit Composite da zona do euro

Vendas do varejo na zona euro

Balança Comercial dos EUA (julho)

Membro do FOMC Williams faz discurso

Membro do FOMC Kashkari fala

Presidente do Fed de Chicago, Evans faz discurso

Quinta-feira, 5 de setembro

Média de solicitações de seguro-desemprego de 4 semanas

ISM PMI não industrial dos EUA (agosto)

Pedidos de bens duráveis dos EUA (mensal)

Pedidos de mercadorias de fábrica nos EUA (julho)

Sexta-feira, 6 de setembro

Folhas de pagamento não agrícolas dos EUA (agosto)

Global de Emprego na Zona Euro (2T)

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.
Leia mais sobre: , ,

Última atualização por Gustavo Kahil - 01/09/2019 - 20:58

Cotações Crypto
Pela Web