Mercados

Por que mercados globais voltam forte a comprar ações nesta quarta-feira (29)

29 mar 2023, 7:38 - atualizado em 29 mar 2023, 7:38
Investir no exterior
Mercados globais aproveitam calmaria momentânea e voltam a comprar ações mais arrojadas. (Imagem: Reuters/Lucas Jackson)

Os mercados globais voltaram a entrar pesado em ações nesta quarta-feira (29), com traders recomprando empresas de tecnologia, após a turbulência nos mercados nas últimas semanas.

Os índices futuros de ações em Nova York subiam perto de 1% nesta manhã, enquanto os rendimentos dos treasuries de dois e dez anos caíam para 4,01% e 3,54%, respectivamente, com uma calmaria momentânea após a crise no setor bancário dos Estados Unidos.

O S&P 500 e o Dow Jones saltavam com 0,89% e 0,75%, respectivamente, no pré-market. O Nasdaq, a bolsa de tecnologia, avançava 0,86% no mesmo instante.

Paralelamente, o Ibovespa em dólar (EWZ) disparava 1,12% a US$ 26,29 no pré-market em Nova York, o que pode sinalizar uma abertura positiva da B3 às 10h (horário de Brasília).



Mercados globais em recuperação

As bolsas de valores situadas na Ásia fecharam majoritariamente em alta nesta quarta-feira, com o gigante chinês Alibaba (BABA34) atiçando o apetite a risco.

Os destaques na região foram Hong Kong (+2,06%), Japão (+1,33%) e Xangai (-0,16%).

minério de ferro, importante termômetro para a Vale (VALE3), fechou em alta de 1,31% na bolsa de commodities de Dalian, na China, a 888,50 yuans a tonelada métrica.

Os ADRs da Vale (VALE), no que lhe concernem, avançavam 1,37% a US$ 15,49 cada, antes da abertura do mercado em Nova York.

Já o petróleo tipo Brent, referência internacional usada pela Petrobras (PETR4), subia 0,8%, com cada barril valendo US$ 79,28, com terceiro dia consecutivo de valorização.

Na esteira da oscilação do petróleo, os ADRs da Petrobras (PBR) despontavam 0,49% a US$ 10,26 cada, no pré-market em Nova York.

Na Europa, os mercados acionários esbouçavam sentimento positivo O Stoxx 600, índice que reúne as ações europeias mais negociadas, ganhava 0,81% aos 448,04 pontos.

Os destaques no continente eram Reino Unido (+0,68%), Alemanha (+0,76%) e França (+1,10%).

Repórter
Repórter de renda fixa do Money Times e Editor de agronegócio do Agro Times desde 2019. Antes foi Apurador de notícias e Pauteiro na Rede TV! Formado em Jornalismo pela Universidade Paulista (UNIP) e em English for Journalism pela University of Pennsylvania. Motivado por novos desafios e notícias que gerem valor para todos.
Linkedin Instagram Site
Repórter de renda fixa do Money Times e Editor de agronegócio do Agro Times desde 2019. Antes foi Apurador de notícias e Pauteiro na Rede TV! Formado em Jornalismo pela Universidade Paulista (UNIP) e em English for Journalism pela University of Pennsylvania. Motivado por novos desafios e notícias que gerem valor para todos.
Linkedin Instagram Site