Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Coin DTVM

Proibição ao 737 MAX deve gerar mais sofrimento aos acionistas da Boeing

19/12/2019 - 14:16
Na segunda-feira, depois que o Wall Street Journal relatou que a fabricante de aeronaves poderia suspender até janeiro a produção do MAX 737, as ações recuaram mais de 4% (Imagem: Divulgação/Boeing)

Tudo indica que a Boeing (BA), maior fabricante de aeronaves do mundo, não terá um começo de ano-novo nada fácil.

Após meses de preparativos, controle de danos e intensas investigações regulatórias, o principal avião da companhia, o 737 MAX, ainda está em solo por causa de dois acidentes fatais neste ano. E não há qualquer previsão de quando a proibição mundial, imposta após o acidente de março, será revertida.

As ações da Boeing afundaram mais de 4% na segunda-feira, depois que o Wall Street Journal relatou que a fabricante de aeronaves poderia suspender até janeiro a produção do MAX em sua fábrica em Renton, Washington, onde trabalham 12.000 colaboradores.

Esse rumor, confirmado mais tarde pela Boeing, aumentou ainda mais a avalanche de notícias negativas sobre a forma como a empresa vem lidando desde outubro com a falha no sistema do 737 MAX, o que tem mantido suas ações sob pressão.

Espera-se que a legalização das apostas esportivas seja muito significativa aos impostos

Depois de despencar cerca de 7% nos últimos cinco pregões, os papéis da Boeing já perderam quase um terço do seu valor desde março, quando o 737 MAX foi proibido de voar em todo o mundo após o acidente da Ethiopian Airlines, seguido da queda do Lion Air, em outubro de 2018. As ações recuperaram parte dessas perdas no pregão de ontem, subindo 1,1% e fechando a US$ 330,68.

Boeing Semanal
Boeing Semanal

A interrupção da produção do 737 MAX veio após uma declaração pública incomum da autoridade reguladora, que repreendeu a gerência da Boeing por usar táticas de pressão para reverter a proibição de voo.

A Autoridade Federal de Aviação dos EUA (FAA, na sigla em inglês) declarou, em uma mensagem ao congresso norte-americano, que aproveitou uma reunião recente para recomendar que a companhia focasse na “qualidade e pontualidade das submissões de dados para avaliação da FAA”.

A interrupção da produção do 737 MAX veio após uma declaração pública incomum da autoridade reguladora (Imagem: Divulgação Boeing)

Em outubro, dissemos que o pior para a Boeing ainda estava por vir, pois a FAA não iria querer dar a impressão de que estava acelerando a aprovação do MAX, na medida em que tenta conquistar novamente a confiança dos passageiros e órgãos reguladores estrangeiros.

O último revés é mais uma confirmação de que a jornada da Boeing de volta à normalidade será mais longa e problemática do que se previa inicialmente.

Acidentes geram prejuízos enormes

A quantidade de jatos MAX que estão amontoados fora das fábricas no Estado de Washington e a continuidade das investigações regulatórias vão gerar mais sofrimento financeiro para a Boeing, dificultando a vida dos analistas que tentam definir o fundo dos preços das suas ações.

Antes de anunciar a interrupção da produção em janeiro, a Boeing já havia armazenado mais de 380 aviões recém-fabricados, de acordo com um cálculo feito por Chris Edwards, blogueiro especializado na produção do 737.

Em seu balanço do segundo trimestre, a Boeing foi multada em US$ 5 bilhões para compensar os clientes de companhias aéreas prejudicadas pela proibição de voo da sua aeronave.

Esse custo seguramente vai aumentar se o órgão regulador não permitir que o MAX volte a voar no ano que vem. Além disso, a Boeing terá que pagar mais centenas de milhões de dólares às famílias das vítimas. Sheila Kahyaoglu, analista da Jefferies, calcula que o lucro por ação da companhia terá um impacto negativo de 6% em 2020.

 

A Boeing foi multada em US$ 5 bilhões para compensar os clientes de companhias aéreas prejudicadas pela proibição de voo da sua aeronave (Imagem: Boeing)

Enquanto o Max continuar proibido de voar, será difícil saber a extensão do dano para a reputação da companhia e sua perspectiva financeira. Há muitas questões em jogo tanto para a Boeing quanto para a economia dos EUA.

O 737, que iniciou suas operações no final da década de 1960, é o modelo mais vendido da indústria da aviação e a principal fonte de receita da Boeing.

A versão Max reprojetada teve tanto sucesso que recebeu mais de 5000 pedidos que totalizaram mais de US$ 600 bilhões, incluindo aviões que já foram entregues.

Mas o retorno comercial do avião mais vendido da Boeing teve vários tropeços e é pouco provável que aconteça antes do início de 2020. Os atrasos já custaram à fabricante de aviões pelo menos US$ 8,4 bilhões até o momento, de acordo com a Bloomberg.

Resumo

Não acreditamos que a Boeing conseguirá voltar à total normalidade operacional no curto prazo, e o principal impedimento nesse processo é a reconquista da confiança pública.

A Boeing certamente é capaz de solucionar os problemas técnicos necessários para fazer do Max um gerador de receitas viável novamente, mas esse processo dependerá dessa reconquista de confiança.

A repreensão pública incomum da FAA nesta semana sinaliza que esse processo será mais complicado e poderá custar o cargo do CEO da companhia, Dennis Muilenburg.

Não acreditamos que seja o momento certo para os investidores que querem se posicionar nessa enorme ação industrial. Os riscos de queda ainda são bastante pronunciados.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Rafael Borges - 19/12/2019 - 14:16

Pela Web