Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Coin DTVM

Próximo leilão da cessão onerosa ofertará reservas por quase US$ 2 bilhões, diz CNPE

20/04/2021 - 20:14
Petróleo Pré-Sal
As áreas de Sépia e Atapu haviam sido ofertadas em um leilão anterior, em 2019, mas não receberam ofertas (Imagem: Reuters/Edgar Su)

O próximo leilão dos excedentes da cessão onerosa vai ofertar volumes de petróleo e gás da área de Sépia, no pré-sal da Bacia de Santos, por um bônus de assinatura de 1,25 bilhão de dólares (7,138 bilhões de reais), e alíquota de óleo-lucro de 15,02%, conforme aprovou nesta terça-feira o Conselho Nacional de Política Energética (CNPE).

Já volumes de Atapu serão ofertados por bônus de assinatura de 700 milhões de dólares (4 bilhões de reais), e alíquota de óleo-lucro de 5,89%, informou o CNPE em nota.

O CNPE disse ainda que a realização do leilão deverá ocorrer em dezembro, atraso de um mês ante a previsão anterior.

As áreas de Sépia e Atapu haviam sido ofertadas em um leilão anterior, em 2019, mas não receberam ofertas.

Espera-se que a legalização das apostas esportivas seja muito significativa aos impostos

Na época, Sépia foi ofertada com bônus de assinatura fixo de 22,9 bilhões de reais, e percentual mínimo de excedente em óleo de 27,88%. Já Atapu foi ofertada por 13,7 bilhões de reais em bônus de assinatura e percentual mínimo de excedente em óleo de 26,23%.

Conforme a legislação em vigor, a Petrobras deverá manifestar o seu direito de preferência no leilão, em até 30 dias, após a publicação de resolução do CNPE.

Além de parâmetros para o leilão do pré-sal, o CNPE propôs a elaboração de diretrizes para o Programa Nacional do Hidrogênio, com o objetivo de inseri-lo na matriz energética.

Segundo o Ministério de Minas e Energia, para a consolidação da economia do hidrogênio, pressupõe-se o desenvolvimento de uma infraestrutura de produção, armazenamento, transporte e distribuição do hidrogênio, pelo lado da oferta, bem como a inserção do energético na matriz de consumo em setores-chaves, como transportes, siderurgia e de fertilizantes.

“Para fazer frente a esse desafio, são necessárias novas normas de segurança, novos desenhos regulatórios e todo um arcabouço que permita ao hidrogênio alcançar níveis de competitividade que abram caminho para o uso em grande escala”, disse o ministério.

 

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Bruno Andrade - 20/04/2021 - 20:14

Pela Web