Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Coin DTVM

Queda no PIB americano aumenta medo de recessão

29/06/2022 - 13:32
Estados Unidos criptomoedas
(Imagem: Unsplash/Robert Linder)

A economia dos Estados Unidos está fora dos trilhos. O Produto Interno Bruto (PIB) americano fechou o 1º trimestre com uma queda de 1,6%, na taxa anualizada. A medição anterior apontava uma retração de 1,5%.

O declínio do PIB refletiu o ritmo mais lento de acúmulo de estoques pelas empresas, devido a problemas da cadeia de suprimentos e escassez de trabalhadores. “Sazonalmente, é comum uma desaceleração no PIB americano no 1º trimestre. A surpresa é que a gente já começa a ver as pressões inflacionárias corroendo as companhias”, afirma Guilherme Zanin, analista da Avenue. “Com a alta da inflação, as empresas vendem produtos mais caros e a receita aumenta. Mas o custo elevado com mão de obra elevado e também preço de matéria-prima maior acabou corroendo a margem das companhias.”

O que preocupa é que essa foi a primeira queda desde o início da pandemia. Na época, o PIB americano caiu 5,1% no primeiro trimestre de 2020, para depois afundar 31,2% nos três meses seguintes.

De lá para cá, foram só altas, com destaque para os últimos três meses do ano passado, quando o PIB cresceu 6,9%.

E os dados de hoje se juntam a outros indicadores que não são muito positivos: no início da semana, por exemplo, foi divulgada queda na confiança do consumidor para uma mínima de 16 meses. O que sugere que os consumidores podem reduzir os gastos diante da inflação persistente.

Se o PIB se manter negativo no 2º trimestre, o país entra no que os economistas chamam de recessão técnica – que são dois trimestres seguidos de queda na atividade econômica.

Para a consultoria High Frequency Economics (HFE), o desempenho do PIB deve melhorar no 2º trimestre, mas o risco de recessão está crescendo e não tem muito como fugir. “Adotar uma política restritiva é essencial para conter a disparada da inflação nos EUA, mesmo que o crescimento desacelere este ano.”

Já Débora Nogueira, economista-chefe da Tenax Capital, ressalta que o quadro de recessão dos EUA deve ficar apenas para o ano de 2023. “Apesar de a maior economia do planeta estar enfrentando a maior taxa de inflação em 40 anos e começando um ciclo de aperto monetário agressivo, a crise no momento difere da que ocorreu em 2008.”

A especialista explica que o mercado de trabalho dos EUA por ora segue aquecido, impulsionado pelo movimento de reabertura da economia, além do fato dos americanos terem acumulado poupança durante a pandemia de Covid-19 com os cheques pagos pelo governo Biden.

Colaboração Lucas Eurico Simões

Siga o Money Times no Facebook!

Curta nossa página no Facebook e conecte-se com jornalistas e leitores do Money Times. Nosso time traz as discussões mais importantes do dia e você participa das conversas sobre as notícias e análises de tudo o que acontece no Brasil e no mundo. Siga agora a página do Money Times no Facebook!

Leia mais sobre: , , , ,

Última atualização por Juliana Américo - 29/06/2022 - 15:21

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?
Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.
Cotações Crypto