Investimentos

Selic em 2 dígitos após quase 5 anos: o que isso significa para os seus investimentos?

31 jan 2022, 15:52 - atualizado em 31 jan 2022, 15:52
Banco Central BCB
Boa parte do ciclo de alta da Selic já está no retrovisor: renda varável pode coexistir com a renda fixa em 2022, afirma analista da Ativa Investimentos (Imagem: Reuters/Adriano Machado)

Já faz quase cinco anos que a Selic está abaixo dos dois dígitos. Foi a gestão de Michel Temer (MDB) que encabeçou a derrubada dos juros no país após o emedebista assumir o Executivo em um período em que a taxa estava em 14%.

Quem investe em renda fixa desde maio de 2017 viu seus rendimentos consequentemente acompanharem a queda de juros no Brasil.

Por outro lado, o cenário econômico atual é outro e mexe diretamente com o bolso dos investidores. Exemplo claro disso é o giro nas carteiras de renda variável.

A taxa básica de juros chegou a bater sua mínima histórica a 2% em agosto de 2020, mesmo em um ano de pandemia da Covid-19. Desde março do ano passado, voltou a subir gradativamente e quase 12 meses depois estamos prestes a ver a Selic novamente com dois dígitos.

Na próxima reunião do Copom (Comitê de Política Monetária), convocada para esta quarta-feira (2), o mercado espera que a Selic saia do patamar de 9,25% para 10,75% ao ano.

“A renda fixa passa a se tornar mais atraente ao passo que o juro sobe, visto que um dos canais de transmissão da política monetária é exatamente o incentivo a postergação do consumo”, afirma Étore Sanchez, economista-chefe da Ativa Investimentos.

A inflação galopante mundial também tem pressionado o Brasil a adotar uma política monetária agressiva.

O economista ressalta ao Money Times que o encarecimento do crédito é uma outra medida que incentiva as pessoas a pouparem recursos ao invés de se alavancarem.

Renda variável: o pior já passou

Enquanto a renda fixa fica cada vez mais atrativa, especialmente os títulos do Tesouro Selic, aplicar na renda variável deixa o investidor cada vez mais receoso.

Felipe Vella, analista de renda variável da Ativa Investimentos, lembra que investimentos que antes eram dados como nocauteados, voltaram à tona ao radar do mercado, como os títulos públicos Tesouro IPCA+, que paga um prêmio real acima da inflação.

“A subida de juros afeta o cálculo do preço justo das ações. É um dos fatores que fez com que o Ibovespa apanhasse em 2021. Mas importante salientar que o pior já passou”, diz Vella.

Para ele,  boa parte do ciclo de alta da Selic já está no retrovisor, e que uma elevação de 10,75% para um patamar próximo de 11% terá impacto bastante limitado na renda variável.

A recomendação da Ativa é a compra de ações mais defensivas, como papéis de bancos, elétricas, saneamento, seguridade e telefonia.

Disclaimer

Money Times publica matérias de cunho jornalístico, que visam a democratização da informação. Nossas publicações devem ser compreendidas como boletins anunciadores e divulgadores, e não como uma recomendação de investimento.

Repórter
Repórter de renda fixa do Money Times e Editor de agronegócio do Agro Times desde 2019. Antes foi Apurador de notícias e Pauteiro na Rede TV! Formado em Jornalismo pela Universidade Paulista (UNIP) e em English for Journalism pela University of Pennsylvania. Motivado por novos desafios e notícias que gerem valor para todos.
Linkedin Instagram Site
Repórter de renda fixa do Money Times e Editor de agronegócio do Agro Times desde 2019. Antes foi Apurador de notícias e Pauteiro na Rede TV! Formado em Jornalismo pela Universidade Paulista (UNIP) e em English for Journalism pela University of Pennsylvania. Motivado por novos desafios e notícias que gerem valor para todos.
Linkedin Instagram Site
Giro da Semana

Receba as principais notícias e recomendações de investimento diretamente no seu e-mail. Tudo 100% gratuito. Inscreva-se no botão abaixo:

*Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.