Suspensão de tarifas de importação de soja e milho não afeta mercado interno

23/04/2021 - 10:44
Milho
As importações brasileiras de milho devem chegar a 2% do consumo interno de milho, e no caso da soja, a apenas 1% nesta safra, segundo projeções do USDA (Imagem: Reuters/Jason Reed)

Os preços preços dos grãos agrícolas no mercado interno não devem ter impactos relevantes, segundo a Ágora Investimentos, mesmo após a suspensão das tarifas de importação de soja e de milho até o final do ano feita pelo governo brasileiro neste mês.

“Em outubro de 2020, o Brasil havia anunciado a suspensão dos direitos de importação de soja (válido até janeiro de 2021) e milho (válido até março de 2021), mas isso não resultou em volumes de importação significativos o suficiente para conter o aumento em preços domésticos de grãos”, exemplificam os analistas Leandro Fontanesi e Ricardo França, que assinam o relatório.

Na mesma toada da Ágora, a a associação de produtores Aprosoja Brasil explica que o setor segue competitivo no exterior frente a concorrentes, e portanto, os preços dos grãos e subprodutos das oleaginosas não deve baixar os preços.

Segundo o presidente da entidade, Bartolomeu Braz Pereira, a soja brasileira conta com vantagens como o teor de proteína mais elevado e ainda deve dispor de vasta oferta em função da colheita recorde da safra 2020/21, que está sendo concluída.

Para a safra 2020/21, o USDA (Departamento de Agricultura dos EUA, na sigla em inglês) projeta que as importações brasileiras de milho representem apenas 2% do consumo interno de milho, enquanto, para a soja, representarão apenas 1%.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado agro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Lucas Simões - 23/04/2021 - 10:44

Pela Web