Market Makers

Varejo: Enquanto mercado ‘corta pulsos’, gestor compra; veja 5 ações do portfólio

19 set 2023, 16:44 - atualizado em 20 set 2023, 7:20

O varejo não passa pelo seu melhor momento na bolsa. Além dos juros altos e do poder de consumo dos brasileiros comprometido, empresas do setor também sofreram com propostas do Governo Federal para alterar a tributação, destaca o gestor Fabiano Custodio, CIO da Miles Capital, no episódio do Market Makers.

De acordo com Custodio, porém, algumas ações já precificam o pior cenário, como o fim dos juros sobre o capital próprio e de alguns benefícios fiscais.

“O varejo foi um patinho feio, mas acho que ele está perto de um ponto de virada. Hoje, dado que temos as MPs, conseguimos entender qual é o pior cenário”, argumenta.

O gestor usa como exemplo a Lojas Renner (LREN3), que acumula queda de 21% no ano. “A Shein será taxada. Os dados do mercado estão bons. Dado o valuation, a Lojas Renner negocia a 10 vezes PI”, calcula.

Outro papel que foi “destruído”, na visão de Custodio, foi a Soma (SOMA3). O papel cai 22% no ano.

“Eu duvido muito que passe um projeto de lei acabando 100% com o JCP. Nunca é assim. Daqui para frente vai entrar o lobby dos empresários. No final do dia, levaram os papéis para um valuation barato. Você escuta muitos gestores falando de construção, de saúde, de Meli, mas pouca gente tem esse lado mais de média e baixa renda”, coloca.

Quais ações gestor tem na carteira?

Entre os papéis que o CIO da Miles Capital cita estão Smart Fit (SMFT3), Mercado Livre (MELI;MELI34), Vivara (VIVA3) e Natura (NTCO3), além da Lojas Renner.

“A [o preço da ação] Natura achamos que precifica só a operação da América Latina. Hoje, vemos a companhia 5,6 vezes o Ebitda. Eu gosto do negócio, acho que vai muito bem, está bem descontado”, discorre.

  • Ouça o episódio na íntegra:

Ele disse ainda que há uma grande chance de vermos um bom trimestre para Lojas Renner.

“Teve centro de distribuição novo e corte de despesas. Continuamos com esses cases que achamos que ganham de maneiras estrutural. Tem uma boa chance de vermos uma aceleração de vendas”, conclui.

Editor-assistente
Formado pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, cobre mercados desde 2018. Ficou entre os 50 jornalistas +Admirados da Imprensa de Economia e Finanças das edições de 2022 e 2023. É editor-assistente do Money Times. Antes, atuou na assessoria de imprensa do Ministério Público do Trabalho e como repórter do portal Suno Notícias, da Suno Research.
Linkedin
Formado pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, cobre mercados desde 2018. Ficou entre os 50 jornalistas +Admirados da Imprensa de Economia e Finanças das edições de 2022 e 2023. É editor-assistente do Money Times. Antes, atuou na assessoria de imprensa do Ministério Público do Trabalho e como repórter do portal Suno Notícias, da Suno Research.
Linkedin