Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

5 notícias que estão mexendo com o Ibovespa nesta tarde

05/08/2020 - 13:03
ETF Ações Investimentos Mercados
Veja as principais notícias desta tarde (Imagem: Unsplash/@tylerleeeaston)

1. Mercados reagem aos resultados financeiros das empresas

Ibovespa subia cerca de 1,37% nesta quarta-feira, beneficiado pelo viés positivo no exterior, com as ações da Petrobras entre as maiores altas em meio a avanço do petróleo e extinção de ação de hipoteca judiciária da Previ contra a companhia.

A temporada de balanços também repercutia no pregão, com os papéis de Gerdau e Iguatemi entre as maiores altas após resultados trimestrais, enquanto Embraer mostrava fraqueza depois de prejuízo bilionário no segundo trimestre.

As ações dos Estados Unidos subiam nesta quarta-feira, com dados mostrando uma expansão no setor de serviços no mês passado colaborando para o otimismo decorrente do lucro trimestral inesperado da Disney e de resultados positivos de várias empresas do setor de saúde.

A leitura do índice de atividade não manufatureira do ISM saltou para 58,1 no mês passado, máxima desde março de 2019, após registrar 57,1 em junho.

As ações da Walt Disney saltavam 8,9%, atingindo uma máxima em mais de cinco meses, uma vez que os declínios nas receitas de seus parques e redes de mídia não foram tão ruins quanto se temia.

2. Embraer tem prejuízo bilionário no 2º trimestre 

Embraer (EMBR3) divulgou nesta quarta-feira que a receita em seu segmento de aviação comercial, geralmente a maior e mais rentável, caiu 77%, para 563,9 milhões de reais no segundo trimestre, devido à pandemia de coronavírus.

A fabricante de aviões, assim como seus maiores concorrentes de aviões, Airbus e Boeing, viu a demanda cair à medida que a pandemia parou o transporte aéreo.

A empresa reportou um prejuízo líquido de 1,683 bilhão de reais no trimestre, revertendo resultado positivo de 26,1 milhões no mesmo período de 2019.

O prejuízo líquido ajustado, excluído do imposto de renda e contribuição social diferidos e também do impacto líquido, após imposto dos itens especiais que eventualmente tenham sido contabilizados, foi de 1,071 bilhão de reais.

3. Oi encerra negociações exclusivas com Highline 

A empresa de telefonia Oi (OIBR3) encerrou na segunda-feira negociações exclusivas com a Highline do Brasil, uma empresa do portfólio da firma norte-americana de private equity Digital Colony, para a venda de seus ativos móveis, disse uma fonte familiarizada com o assunto.

A Highline apresentou a melhor oferta para a unidade móvel da Oi em 18 de julho, que tinha um valor mínimo estabelecido pela operadora de 15 bilhões de reais.

Quatro dias depois, no entanto, TIM Participações, Telefônica Brasil e Claro, da América Móvil, apresentaram uma nova oferta conjunta de 16,5 bilhões de reais pelos ativos móveis da Oi, superior à proposta da Highline.

A Oi manteve conversa exclusiva com a Highline depois disso, mas decidiu encerrá-la depois que a empresa do portfólio da Digital Colony não aumentou sua oferta pela unidade móvel, disse a fonte. A Highline também apresentou propostas para outras duas unidades da Oi.

4. Atividade de serviços nos EUA bate máxima de 16 meses em julho 

A atividade do setor de serviços dos Estados Unidos ganhou força em julho, com as novas encomendas saltando para uma máxima recorde, mas as contratações caíram, o que sustenta visões de que a recuperação do mercado de trabalho está fraquejando em meio ao ressurgimento das infecções por Covid-19.

O Instituto de Gestão de Fornecimento (ISM, na sigla em inglês) informou nesta quarta-feira que seu índice de atividade de serviços subiu a 58,1 no mês passado, nível mais alto desde março de 2019, de 57,1 em junho.

O índice despencou a 41,8 em abril, leitura mais baixa desde março de 2009.

Leitura acima de 50 indica crescimento no setor de serviços, que responde por mais de dois terços da atividade econômica dos EUA. Economistas consultados em pesquisa da Reuters projetavam leitura de 55 em julho.

5. B3 é uma das Bolsas mais caras do mundo, alertam analistas

Apesar das ações da B3 (B3SA3) terem superado, desde meados de 2015, o próprio desempenho do Ibovespa (IBOV), sendo apontada por diversos agentes como a principal forma de ganhar com boom de novos investidores, há quem diga que a ação da dona da Bolsa se transformou em uma das mais caras do mundo.

O analista setorial Henrique Navarro, do Santander Brasil (SANB11), adota esta posição de cautela em relação aos papéis da B3 devido à incorporação dos dados operacionais recentes da empresa; além da análise dos indicadores mais recentes do Boletim Focus, que conteve o tombo do PIB do Brasil para 5,66% em 2020, ante 6,5% na pior perspectiva divulgada.

“Continuamos a acreditar que o risco da concorrência pode, mais cedo ou mais tarde, dominar as notícias, uma vez que volumes fortes também tornam o mercado brasileiro mais atraente para os concorrentes nos mercados de ações e de renda fixa“, alerta Navarro.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Vitória Fernandes - 05/08/2020 - 13:03