Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Vitreo DTVM

Ação da Oi está perto de deixar de ser papel apenas para especuladores

13/11/2020 - 18:08
Oi participa da CCXP 2019
Solidez: para analistas, reestruturação da Oi avança de modo consistente (Imagem: Divulgação/Oi/Facebook)

Com o balanço do terceiro trimestre, divulgado nesta sexta-feira (13), a Oi (OIBR3) provou novamente que está no caminho certo para se reestruturar e superar a recuperação judicial. Com isso, suas ações, que chegaram a valer apenas alguns centavos e se tornaram alvos constantes de especuladores, voltarão a ser um papel sustentado por uma boa tese de investimento.

A avaliação é de Fred Mendes e Flávia Meireles, que assinam o breve comentário da Ágora Investimentos sobre a empresa. “Acreditamos que, após os fortes resultados do terceiro trimestre, os investidores prestarão mais atenção à Oi e ao seu turnaround, do que a um nome puramente direcionado a eventos”, afirmam.

Carlos Sequeira e Osni Carfi, do BTG Pactual (BPAC11), seguem raciocínio parecido. “Continuamos positivos com a empresa, na medida em que a gestão executa perfeitamente o plano de reestruturação”, declaram.

Leilão

Um passo importante será dado em 14 de dezembro, com o leilão da área de telefonia móvel da Oi. Por ora, o consórcio formado pelas rivais TIM (TIMS3), Claro e Vivo (VIVT4) é o favorito para arrematar o negócio, com uma oferta de R$ 16 bilhões.

Por isso, mesmo a queima de caixa foi tratada com mais simpatia pelos analistas neste terceiro trimestre. É verdade que os R$ 384 milhões consumidos ficaram abaixo dos R$ 1,1 bilhão que a Oi queimou no mesmo período do ano passado.

A Ágora e o BTG Pactual reforçaram suas recomendações de compra para as ações. O preço-alvo da Ágora é de R$ 3,10 por papel; o do BTG, R$ 2,80.

Resultados

A Oi apresentou prejuízo líquido consolidado de R$ 2,580 bilhões no terceiro trimestre. A cifra é 55,4% menor que a do mesmo período do ano passado, quando as perdas somaram R$ 5,784 bilhões. Ela também é 26,1% menor que o prejuízo do segundo trimestre.

A forte contenção de custos operacionais e de despesas financeiras foram os principais fatores para a redução das perdas da Oi entre julho e setembro. A receita líquida recuou 5,9%, na comparação com o ano anterior, e ficou em R$ 4,706 bilhões.

Veja o relatório de resultados da Oi.

Chegou a nova newsletter Comprar ou Vender

As melhores dicas de investimentos, todos os dias, em seu e-mail!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Márcio Juliboni - 13/11/2020 - 18:08