Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Coin DTVM

Alta de 18% do IRB (IRBR3) é “voo de galinha”? Recuperação está cada vez mais distante, diz BB

Renan Dantas
23/05/2022 - 19:48
IRB
Dado o cenário mais complicado, o BB rebaixou o preço-alvo do IRB Brasil R$ 5 para R$ 3 (Imagem: Divulgação/ IRB)

O  IRB (IRBR3) vem mostrando uma boa recuperação nas últimas sessões, com papéis da resseguradadora disparando 18%. Mas até que ponto essa alta é sustentável?

Para o BB Investimentos, os números do primeiro trimestre só mostram que os movimentos de saneamento dos negócios promovidos pelo ressegurador após as irregularidades contábeis identificadas em 2020 ainda custam a surtir efeito.

“O patamar de sinistralidade, crucial para entendermos a sustentabilidade do negócio em si, permanece em níveis punitivos aos resultados da companhia e, mesmo quando expurgados os efeitos dos contratos descontinuados (run-off), o prognóstico para essa dinâmica não anima”, colocam os analistas Rafael Reis e Luan Calimerio.

Dado o cenário mais complicado, o BB rebaixou o preço-alvo de R$ 5 para R$ 3.

Eles justificam dizendo que a revisão parte de uma abordagem mais conservadora dado o contexto macroeconômico, que enseja em uma maior taxa de desconto no valuation, “além da remoção, segundo nossa opinião, de parcela significativa da assunção de celeridade da convergência da sinistralidade a níveis mais próximos de pares de mercado, até que possamos ver um avanço concreto e menos volátil dessa linha nos próximos trimestres”.

Em entrevista ao Money Times, Marcel Andrade, head de renda variável da Vitreo, disse que não é hora de comprar a ação do IRB.

Para ele, a alta dos últimos dias foram apenas “alguns investidores buscando comprar os papéis mais amassados, como é o caso do IRB”.

O primeiro trimestre do IRB

Na avaliação do BB, o IRB entregou um primeiro trimestre negativo, mesmo com a elevação de 58% no lucro líquido em relação ao primeiro trimestre e com a reversão do prejuízo apresentado no quarto trimestre.

“Alta sinistralidade, menor recebimento de prêmios, menor recuperação de sinistros e eventos não recorrentes, dentre outros fatores, permearam os demonstrativos da companhia, resultando em uma queima de caixa operacional de R$ 288 milhões”, coloca.

Entre os destaques negativos está a alta sinistralidade, que saltou de 72% no 1T21 para 81% no 1T22, principalmente impactada pelas linhas rural e vida, por conta de efeitos climáticos e pela Covid-19.

“Estimamos que a sinistralidade permaneça próxima a este patamar durante 2022 e que, lentamente, vá arrefecendo, porém, mantendo se estruturalmente acima de 75% nos próximos trimestres”, coloca.

Já o resultado de subscrição (operacional) da companhia foi negativo em quase R$ 100 milhões.

“Gradualmente, conforme os novos (e melhores) contratos forem amadurecendo e os sinistros referentes a contratos antigos forem perdendo relevância no portfólio da companhia, o resultado operacional do IRB tenderá a ser menos prejudicado. Porém, ainda assim, entendemos que o cenário é desafiador e não deve se reverter no curto ou médio prazo”, conclui.

Disclaimer

Money Times publica matérias informativas, de caráter jornalístico. Essa publicação não constitui uma recomendação de investimento.

Receba as newsletters do Money Times!

Cadastre-se nas nossas newsletters e esteja sempre bem informado com as notícias que enriquecem seu dia! O Money Times traz 8 curadorias que abrangem os principais temas do mercado. Faça agora seu cadastro e receba as informações diretamente no seu e-mail. É de graça!

Última atualização por Renan Dantas - 23/05/2022 - 19:48

Chegou a nova newsletter Comprar ou Vender
As melhores dicas de investimentos, todos os dias, em seu e-mail. É grátis!
Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.
Cotações Crypto