Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

American Airlines vê 19.000 cortes de empregos com fim de auxílio

25/08/2020 - 14:28
American Airlines
O plano da American Airlines é o prenúncio de milhares de cortes de empregos nas companhias aéreas dos EUA depois de 30 de setembro (Imagem: Reuters/Mike Blake)

American Airlines (AAL) cortará 19.000 empregos assim que o auxílio do governo à folha de pagamento expirar, conforme está programado para 1º de outubro.

Cerca de 17.500 funcionários serão dispensados, o que significa que podem ser chamados de volta quando as condições melhorarem, enquanto 1.500 cortes de pessoal de gestão anunciados anteriormente entrarão em vigor, disse a companhia aérea por e-mail nesta terça-feira.

A American Airlines é a primeira grande transportadora aérea a divulgar a extensão do encolhimento de suas operações para se ajustar à queda do número de passageiros, de 70% em relação ao ano passado.

O plano da American Airlines é o prenúncio de milhares de cortes de empregos nas companhias aéreas dos EUA depois de 30 de setembro, quando expiram as proteções de empregos vinculadas à ajuda financeira federal.

O debate sobre a extensão de seis meses do programa governamental de apoio à folha de pagamento de US$ 25 bilhões para transportadoras de passageiros parou no Congresso.

A American Airlines disse que os cortes de empregos poderiam ser evitados se os legisladores estendessem o apoio à folha de pagamento.

“Viemos até vocês muitas vezes durante a pandemia, frequentemente com atualizações preocupantes sobre um mundo que nenhum de nós poderia ter imaginado”, escreveram o CEO Doug Parker e presidente Robert Isom em carta aos funcionários, divulgada em comunicado da empresa. “Hoje é a mensagem mais difícil que tivemos para compartilhar.”

As ações da American Airlines caíam 3,6% para US$ 12,96 às 11:28 em Nova York, um dia depois que as companhias aéreas se recuperaram com expectativas otimistas para tratamentos e vacinas contra o coronavírus. As ações caíram 53% no acumulado ano até segunda-feira.

Com base na demanda atual, a American Airlines deve voar menos de 50% de sua programação normal no quarto trimestre, com voos internacionais de longa distância em apenas 25% dos níveis de 2019, disseram Parker e Isom.

American airlines
As ações da American Airlines caíam 3,6% para US$ 12,96 às 11:28 em Nova York, um dia depois que as companhias aéreas se recuperaram com expectativas otimistas para tratamentos e vacinas contra o coronavírus (Imagem: Facebook oficial American airlines)

Os cortes de empregos programados reduzirão o emprego total da American Airlines para menos de 100.000, em comparação com cerca de 140.000 em março.

Cerca de 12.500 trabalhadores deixaram voluntariamente a empresa e 11.000 estarão de licença a partir de 1º de outubro.

A companhia aérea com sede em Fort Worth, no Texas, avisou anteriormente que até 25.000 trabalhadores poderiam ser demitidos, enquanto a United Airlines estima seu número em 36.000.

Delta Air Lines disse na segunda-feira que dispensará 1.941 pilotos, mas não detalhou mudanças para outros grupos de funcionários.

Southwest Airlines disse que um número suficiente de funcionários se aposentou antecipadamente e deixou a empresa, que não tem licenças programadas até o final deste ano.

Mais de 150.000 trabalhadores nas quatro maiores companhias aéreas dos EUA já saíram antecipadamente ou concordaram em ter licenças temporárias por períodos diferenciados.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Rafael Borges - 25/08/2020 - 14:28