Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Americanos desempregados recorrem aos sites freelancers

02/08/2020 - 19:02
Enquanto alguns freelancers qualificados ainda podem delimitar as cargas horárias de suas atividades em período integral, eles não estão recebendo certos benefícios como cobertura de assistência médica (Imagem: Site/Bridgewater Associates)

Com milhões de americanos desempregados, há uma corrida massiva para sites de freelancers – o que pode resultar em remunerações menores a todos.

Desde junho, mais de 24.000 pessoas – dois terços delas americanas – entraram na lista de espera para participar da plataforma Braintrust, que oferece projetos de contrato com empresas como Nestle SA e Nike Inc. no Freelancer.com.

As inscrições de usuários nos EUA aumentaram mais de 30% entre fevereiro e julho, na comparação anual. No Upwork Inc., os registros de clientes e freelancers aumentaram 50% desde meados de março, quando a pandemia ganhou força.

“Aumentou muito rapidamente”, disse Adam Jackson, que administra a rede Braintrust. “Estamos vendo pessoas que foram demitidas do Airbnb e ingressaram recentemente na Microsoft. Somos muito motivados por demissões.”

Devido a esse fluxo de usuários, as taxas cobradas pelos freelancers podem começar a cair, pelo menos em alguns sites. No Freelancer.com, usado por 46 milhões de pessoas, o pagamento por um emprego médio caiu cerca de 20% nos últimos seis meses – em parte como um resultado de mais pessoas competindo pelos projetos disponíveis, de acordo com a empresa.

Enquanto alguns freelancers qualificados ainda podem delimitar as cargas horárias de suas atividades em período integral, eles não estão recebendo certos benefícios como cobertura de assistência médica. Os benefícios adicionam cerca de 30% a um salário médio, de acordo com o Departamento do Trabalho dos EUA.

“Eles estão lutando para encontrar trabalho e manter suas famílias”, disse Erin Hatton, professor associado de sociologia da Universidade de Buffalo. “Esse tipo de depressão econômica, aliada à falta de uma rede de segurança social – significa que mais e mais trabalhadores estarão inundando o mercado e dispostos a receber salários cada vez menores.”

Trabalho remoto

Isso é motivado em parte pelos americanos que competem por empregos fora de seus mercados de trabalho tradicionais e locais.

“Todo mundo está aberto ao trabalho remoto, há tantas pessoas candidatando-se aos grandes cargos – porque você pode estar em qualquer lugar do país e ainda almejar esta empresa”, disse Alexandra Morgalo, que perdeu o emprego no Grupo Kimpton Hotel e Restaurante em junho, depois de ter o segundo filho.

“Há muita concorrência – muitas vezes eu não obtive nenhuma resposta”. Ela se candidatou a mais de 20 vagas em período integral antes de encontrar um contrato de gerenciamento de projetos em tempo parcial na Braintrust. São 20 horas por semana, sem benefícios.

Os freelancers americanos novatos também estão competindo – e arrancando empregos – de pessoas de outros países. No Freelancer.com, nas últimas semanas, um número crescente de americanos vem aceitando vagas que poderiam ter sido preenchidas anteriormente na Índia ou nas Filipinas, disse Matt Barrie, diretor executivo da empresa australiana Freelancer Ltd.

Muitos desempregados também estão usando suas economias – e sites freelancers – para tentar empreender. Alguns estão buscando ajuda para criar sites de comércio eletrônico ou videogames, que têm sido muito procurados ultimamente.

“Os mercados freelancers prosperam nos momentos de crise”, disse Barrie. “Isso dá aos trabalhadores muita liberdade. Ajuda você a fazer uma transição entre carreiras.”

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Vitória Fernandes - 31/07/2020 - 17:14