Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Coin DTVM

Brasil brinca com fogo e testa paciência do mercado

05/09/2018 - 15:37

Brasil

A proximidade com o primeiro turno das eleições, distante um pouco mais de um mês, e a falta de um discurso dos principais candidatos líderes nas pesquisas comprometido com as reformas fiscais, em especial a urgente da Previdência, está fazendo com que o mercado comece a perder a paciência com o Brasil. Isso em um contexto ruim para os mercados emergentes. O avanço do dólar acima dos R$ 4 mostra que uma tempestade pode estar se formando.

O candidato preferido do mercado, Geraldo Alckmin (PSDB) – apesar de João Amoêdo (NOVO) ter apoio massivo de investidores -, não tem conseguido avançar nas pesquisas e está ainda distante da possibilidade de um segundo turno. Uma análise recente do Itaú BBA levanta a possibilidade, inclusive, de uma rodada final sem a participação de ambos PT e PSDB, o que não ocorre desde 1989.

“Uma das razões para a plausibilidade deste cenário é a presença de Jair Bolsonaro (PSL), que lidera as pesquisas no cenário sem Lula com cerca de 20% dos votos desde maio, alcançando 22% na última pesquisa Datafolha”, aponta o banco. O relatório explica que, na comparação entre os resultados do PSDB nas pesquisas entre 2014 e 2018, nota-se que o partido perdeu uma parcela importante de seu eleitorado, que corresponde ao aumento da preferência pelo candidato do PSL.

Dólar

“Qualquer indicação de que Bolsonaro, Ciro Gomes ou Fernando Haddad estarão no segundo turno não será recebida com leveza pelos mercados. A realização de uma reforma previdenciária no próximo ano é necessária para definir as finanças públicas em um caminho sustentável. A menos que Alckmin aproveite o tempo de uso da TV e aumente suas chances de passar para a segunda rodada, o real provavelmente continuará volátil e sob pressões enfraquecedoras, levando progressivamente a uma deterioração do crescimento e da inflação”, destacam os economistas do Société Générale Dev Ashish e Bertrand Delgado.

Eles calculam um cenário em que o dólar iria a R$ 4,40 neste ano e a R$ 4,50 no próximo. Hoje a moeda oscila perto de R$ 4,15, tendo subido 25% apenas em 2018. Não bastasse o clima de incerteza política no País, as instabilidades dos mercados emergentes – Turquia e Argentina – também têm pintado um cenário ruim.

Quão perto está a Argentina de um calote?

Erdogan é a Dilma da Turquia

“Argentina e Turquia se destacam devido ao tamanho de suas quedas de moeda. Depois disso, o real brasileiro e o rand sul-africano caíram mais do que outras moedas emergentes durante as últimas turbulências”, ressalta o economista-chefe para mercados emergentes da Capital Economics William Jackson.

Instabilidades

Jackson lembra ainda que a economia da China mostrou sinais mais claros de enfraquecimento nos últimos meses e isso pode continuar em 2019. Enquanto isso, a economia dos EUA deve desacelerar no próximo ano, à medida que os aumentos de juros do Fed começarem a se concretizar e o estímulo fiscal diminuir.

“O crescimento mais lento nas duas maiores economias do mundo provavelmente terá um impacto maior na atividade dos mercados emergentes. Também poderia ter um efeito mais amplo sobre o apetite por risco do que as crises cambiais na Argentina e na Turquia (que representam menos de 2% do PIB global)”, aponta o economista.

Ou seja, o Brasil brinca com o fogo (infeliz trocadilho para o momento) e pode, mais uma vez, deixar a economia desandar ainda nos primeiros respiros após uma profunda recessão de dois anos.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.
Leia mais sobre: , , , ,

Última atualização por Gustavo Kahil - 05/09/2018 - 15:54

Cotações Crypto
Pela Web