Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Coin DTVM

Combustíveis: Até quando os preços no Brasil serão afetados pela guerra na Ucrânia?

Laura Intrieri
21/03/2022 - 16:19
Combustíveis, inflação, ucrânia, petróleo
Petrobras anunciou na semana passada um reajuste de quase 19% no preço da gasolina (Imagem: REUTERS/Adriano Machado)

Em meio a negociações turbulentas, não há expectativas no cenário internacional de que o preço do petróleo volte tão cedo ao patamar anterior à invasão da Ucrânia pela Rússia. A má notícia é que, para o Brasil, o cenário indica continuidade na alta no preço dos combustíveis.

Na manhã desta segunda-feira (21), o barril de petróleo do tipo Brent, que em momentos de tensão no conflito ultrapassou a marca histórica dos US$ 130, era negociado no patamar dos US$ 115. Antes da invasão, negociações rondavam os US$ 95.

Com a disparada no preço da commodity no mercado internacional, a Petrobras (PETR4) anunciou no dia 11 de março um reajuste de quase 19% no preço da gasolina e 25% no diesel, gerando insatisfações por parte do governo e população.

“Imprevisível”

Para Antonio Gelis Filho, professor da FGV e especialista em geopolítica, as sanções sofridas pela Rússia torna o cenário menos controlado do que qualquer outra crise de abastecimento no mercado do petróleo já vista.

Comparando o momento atual aos choques do petróleo dos anos 1970, quando os países árabes interromperam a exportação em meio a um conflito geopolítico com Israel, o professor é mais pessimista com o presente.

“Em 73, se alguém quisesse acabar com o choque, poderia naquele exato momento. O resultado era uma decisão sobre a qual se tinha controle potencial. Agora, não”, diz.

Segundo Gelis Filho, a Rússia, ao se preparar para dar início ao conflito, se programou para receber e suportar as sanções impostas.

Na última sexta-feira (18), Putin discursou para milhares de pessoas, em um estádio lotado para a comemoração da anexação da Crimeia, e aproveitou para dar sua visão sobre o que está em curso na Ucrânia. Na ocasião, o líder exaltou a “operação especial”.

O especialista acredita que muitas nações, inclusive europeias, não serão capazes de seguir os EUA, país com maior autonomia energética, na esteira de embargos. “Existe muito espaço pra Rússia agir”, afirma.

petróleo, selic, combustíveis, rússia, ucrânia, eua
O especialista acredita que muitas nações não serão capazes de seguir os EUA na esteira de embargos (Imagem: REUTERS/Kevin Lamarque)

Política de preços

No cenário doméstico, as discussões recaem sobre o que a Petrobras pode ou não fazer para atenuar o impacto da flutuação internacional dos preços do petróleo no bolso do consumidor.

O presidente Jair Bolsonaro, atendendo aos caminhoneiros, uma de suas bases mais fiéis, frequentemente demonstra insatisfação com a política de preços da empresa, e há a expectativa de que ele troque novamente a chefia da estatal, com a recente “fritura” pública do General Luna e Silva.

No dia 16 de março, por exemplo, Bolsonaro disse a jornalistas que “existe a possibilidade” de substituição do general. Em posicionamentos mais recentes, o presidente recuou e chegou a rechaçar a possibilidade de uma interferência, a qual não é vista com bons olhos por agentes de mercado.

“Grande erro”

Para Alessandra Ribeiro, sócia-diretora da Tendências, a estatal não deveria agir em sentido de segurar os preços do combustíveis. “Como empresa, ela busca ser mais eficiente o possível para dar retorno a seu acionista“, diz.

Apesar de ter a União como acionista majoritária, a Petrobras também tem acionistas privados, que, segundo Ribeiro, acabam pagando injustamente pelo financiamento de uma política pública de controle de preços.

Dependência da gasolina

Para Paulo Feldman, economista e professor da USP, o maior problema encontra-se no fato de que o país é dependente da gasolina, derivada do petróleo, quando poderia ter autonomia no uso do etanol.

“Somos o único país do mundo que poderia ter evitado cair nessa crise” disse, referindo-se à alta dos preços dos combustíveis.

O economista afirma que o país tem capacidade produtiva e estrutura para expandir o uso do biocombustível, mas não o faz porque usineiros preferem lucrar exportando açúcar e mandando etanol para o mercado internacional.

Dados da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica) apontam que a exportação de etanol, na safra de 2020 a 2021, movimentou cerca de R$ 6,8 bilhões, contra R$ 4 bilhões da safra de 2019 a 2020. Para o período de 2021 a 2022, o valor já chega a R$ 5 bilhões.

Para Feldman, caberia ao governo um pacote de estímulos para que donos de usinas voltassem suas produções ao mercado interno.

Congresso combustíveis gasolina
O Congresso se mobilizou para aprovar projetos com o objetivo de aliviar o impacto no bolso do consumidor (Imagem: REUTERS/Ueslei Marcelino)

Pacotes legislativos

Desde o início da crise, o Congresso se mobilizou para aprovar projetos com o objetivo de aliviar o impacto no bolso do consumidor.

Mas, segundo a Instituição Fiscal Independente do Senado, os pacotes propostos pelo governo para contornar o aumento, como a redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) e a isenção do PIS/Cofins, devem causar perda de arrecadação e promover rombo de mais de R$ 30 bilhões nas contas públicas.

Feldman acredita que a redução dos impostos não vai ser capaz de resolver a situação. “O governo está achando que vai fazer mágica com os impostos, mas vai acabar piorando a situação”, afirma.

O professor lembra que o mercado tende a reagir com desconfiança a rombos nas finanças públicas, o que desvaloriza o real e deteriora a situação macroeconômica como um todo.

Última atualização por Laura Intrieri - 21/03/2022 - 17:22

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?
Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.
Cotações Crypto